10.7 C
Araçatuba
quinta-feira, maio 19, 2022

Nova legislação deve provocar crescimento do mercado fotovoltaico em Araçatuba neste ano

DIEGO FERNANDES – ARAÇATUBA

Por causa do aumento na procura por geração de energia sustentável, no começo deste ano, o presidente Jair Bolsonaro sancionou uma lei que ficou conhecida como Marco Legal da geração distribuída de energia elétrica.

A lei impacta diretamente no setor de energia fotovoltaica, que tem ganhado diversos adeptos não só pela sustentabilidade, mas pela questão econômica, já que a geração de energia solar pode gerar cerca de 90% de economia na região.

Basicamente, a lei estabelece uma taxação chamada de tarifa de uso do sistema de distribuição, que será aplicada gradualmente a partir de 2023. A tarifa deve variar entre 4,1% e 24,3% até 2028, para solicitações de acesso de até 500 kW. Acima disso, a tarifa fica em 29,3% no período.

O proprietário da EcoPower de Araçatuba, Marcos Guimarães, explica que, para aqueles interessados na instalação do sistema de energia fotovoltaica, 2022 é o último ano para manter o serviço com as regras atuais, sem esta nova taxação.

Segundo Guimarães, a instalação neste ano fará com que o consumidor se livre da cobrança até 2045, de acordo com a nova lei.

“Dentre os vários pontos positivos que a lei nos trás, agora nós temos o gap de aquisição do sistema fotovoltaico até 31/12/2022, as pessoas que adquirirem terão até 2045 a regra atual, com os benefícios atuais, sem qualquer tipo de taxação, sem qualquer mudança da regra. Não só por essa questão, também por crises hídricas e também por uma questão sustentável, o fotovoltaico hoje é, sem dúvidas, a maior alternativa para que todos tenham economia e possam participar de um planeta mais limpo”, analisou Guimarães.

Na prática, segundo o empresário, o setor, que já obteve um crescimento entre os anos de 2020 e 2021, deve ter o seu melhor ano, até aqui, em 2022.

“Nós começamos em meados de 2018 a trabalhar neste segmento, e no ano de 2020 e 2021 nós tivemos 80% de crescimento na procura em relação aos anos anteriores. Nós acreditamos que esse ano tenhamos percentuais muito maiores em função de todos os benefícios atuais que a lei do marco legal nos trouxe”, projetou.

Por causa desse crescimento, o setor é um dos que têm crescido na geração de empregos. Segundo dados da Associação Brasileira de Energia Solar, o Brasil gera cerca de 15 mil empregos por mês no setor de energia fotovoltaica.

No caso específico de Marcos Guimarães, a EcoPower, que possui mais de 200 unidades franqueadas no Brasil, com mais de 18 mil projetos finalizados, tem demonstrado um crescimento rápido. Ele começou com a unidade de Araçatuba há 4 anos, e hoje já possui outras unidades da mesma franquia em Campo Grande (MS) e Londrina (PR). Atualmente, as unidades geram pelo menos 35 empregos diretos, além de dezenas de outras vagas indiretas.

Mesmo com a taxação dos consumidores após a instalação do sistema fotovoltaico a partir de 2023, Guimarães mantém o otimismo para o segmento nos próximos anos.

“A Associação Brasileira de Energia Solar já nos colocou que certamente nós tenhamos ainda um cenário muito positivo a partir dos próximos anos, o país necessita dessa tecnologia e ela hoje faz parte da vida das pessoas e dificilmente nós teremos qualquer regressão em relação a isso”, analisou.

 

 

Ultimas Noticias