20.9 C
Araçatuba
domingo, julho 3, 2022

Não romantize a Mulher maravilha

FERNANDA COLLI

É fato que a Mulher Maravilha, heroína criada pela Marvel desperta um certo orgulho e afirmação do poderio e engajamento feminino. Ocorre que o termo tem sido usado para designar mulheres que são obrigadas a desempenharem inúmeros papéis. Tendo que conciliar família, filhos, vida profissional em jornadas exaustivas, vindo a adquirir diversas doenças e síndromes como pânico, insônia, ansiedade e consequentemente depressão.
Como todo ser humano, a mulher, com uma sobrecarga vinda de todos os lados, acaba tendo que escolher, e claro, deixa seus sonhos, sua carreira de lado, para dedicar-se de maneira integral à sua família.
Para as mulheres que ainda sim insistem em ir em busca de seus sonhos, são facilmente julgadas como insensíveis e pagam um preço demasiadamente caro. Já não tem mais tempo para assistir aquele filme; fazer as unhas e ir ao salão se torna uma aventura quase mortal e cabelos bonitos se resumem em estarem limpos.
Cozinhar, passar, limpar, cuidar, educar, acompanhar, pagar contas, se aperfeiçoar, estudar, se cuidar, se arrumar… essa é a rotina de milhões de mulheres.
Por que a mulher é tão sobrecarregada de tarefas?
Pelo simples fato de a sociedade não atribuir nenhuma tarefa aos homens.
Tornou-se exaustivo ver e ouvir pessoas aplaudirem o homem que lava a louça, o marido que cuida dos filhos. As falas são sempre de que ele está “ajudando” sua companheira. A mulher não ocupa cargos menores nas empresas por ser menos competente, mas sim porque para ele conseguir estar ali, o esforço e a resiliência dela é muito maior que a dos homens, que insistem em competir “igualmente” as vagas oferecidas.
E nós mulheres nos desdobramos em milhões de pedaços para manter a ordem e a paz com os nossos. Mulheres saindo de relacionamentos abusivos sem nada além de seus filhos e uma carga gigantesca de emoções para administrar, enquanto homens saem dos relacionamentos magoados, porém com um patrimônio considerável, já que era ele que estava em busca de seus objetivos enquanto a mulher cuidava dos seus.
A mulher tem sido desde sua existência o alicerce de toda a família e de seus companheiros. É fácil chegar em casa e encontrar a casa limpa, o almoço pronto e os filhos bem cuidados. É fácil construir algo quando o alicerce já está pronto.
Não queremos ser Mulheres Maravilhas, isto é para super heróis. Queremos ser mulheres. Que amam muito suas famílias e ate seus companheiros, porém também sonham, também querem crescer em sua profissão, também existem.

Fernanda Colli pedagoga, psicopedagoga, Arte Educadora, presidente do Conselho Municipal de Cultura

Ultimas Noticias