Movimento Escoteiro é indicado ao Prêmio Nobel da Paz

Compartilhe esta notícia!

DA REDAÇÃO – ARAÇATUBA

A Organização Mundial do Movimento Escoteiro foi indicada ao Prêmio Nobel da Paz, uma premiação anual realizada pelo Comitê Norueguês do Nobel, concebida desde 1901 a pessoas e entidades que se destacam por ações que promovam a fraternidade entre as nações. A indicação inédita foi feita pela integrante do parlamento norueguês Solveig Schytz, que é escoteira. O vencedor será anunciado em outubro.

 

O Movimento Escoteiro é formado por 54 milhões de crianças, jovens e voluntários em mais de 200 países, sendo o maior movimento de educação não-formal do mundo. Em Araçatuba (SP) há dois grupos escotistas, sendo o Dom Bosco o mais antigo e tradicional, existente desde 1970, e a Seção Autônoma Alcateia e Tropa Samurai, formada há três anos. Juntos, reúnem cerca de 300 integrantes.

 

Na avaliação do presidente do Dom Bosco, chefe Waldomiro Batista Leal Júnior, a indicação do movimento ao prêmio Nobel é justa e merecida. “Atualmente, muitos jovens estão à mercê da tecnologia. Dessa forma, a socialização, a cidadania e os valores proporcionados pelo movimento tornaram-se indispensáveis à formação deles. Afinal de contas, todas as nações dependem das suas gerações futuras para criação de uma sociedade justa e consciente. E o movimento se propõe a contribuir para isto”, afirma Leal Júnior.

 

Para a chefe Lia Máriko, da Tropa Samurai, o escotismo pode contribuir de forma ímpar na formação do jovem. “Quando conheci o escotismo já adulta, achei de grande valia as crianças participarem deste movimento”, diz. Ela comenta ainda que o propósito do escotismo é o desenvolvimento do jovem em todas as áreas, emocional, física, intelectual, social, espiritual e afetiva. “Embora sejamos uma seção pequena de jovens e voluntários, já estamos colhendo frutos ao observar nos nossos lobinhos e escoteiros as suas ações para com o próximo, o cuidado com a natureza, a responsabilidade com os seus afazeres”, conclui Lia.

 

Dom Bosco e Samurai

 

Desde que foi fundado, em 25 de outubro de 1970, pelo padre Angelo Rudello, o Dom Bosco soma a passagem de aproximadamente 8 mil membros, entre crianças, jovens e adultos. Com 50 anos de existência, foi pioneiro no Brasil em coeducação. Unidade integrante da União dos Escoteiros do Brasil (UEB), atualmente conta com 270 membros. O trabalho dos chefes é voluntário, com reuniões semanais na sua sede, na rua Manoel Guimarães Dias, 590, no Jardim Casa Nova.

 

Criada no dia 8 de março de 2018, a Seção Escoteira Autônoma Alcateia e Tropa Samurai, de Araçatuba (SP) reúne mais de 30 crianças e jovens, entre lobinhos (entre 6,5 e 10 anos), na alcateia, e escoteiros (entre 11 e 14 anos), na tropa. O grupo conta com oito chefes, que são adultos responsáveis pela liderança da equipe de escotistas, coordenando as tarefas educativas, cuidando da aplicação do Método Escoteiro e do desenvolvimento de atividades adequadas para as crianças. A alcateia e a tropa se reúnem todos os sábados, das 9h às 11h, na Associação Cultural e Esportiva de Araçatuba (Acea), na rua Fagundes Varela, 683, no Jardim do Prado.

 

Valores e regras

 

A proposta educativa do Movimento Escoteiro é a mesma em todos os países, baseadas em valores e regras comuns. O jogo limpo, a aventura com os amigos, a permanência na natureza e sua proteção, o desenvolvimento do caráter e da personalidade ou a busca de oportunidades de ser útil e ajudar os outros são alguns dos valores compartilhados entre os escoteiros de todo o mundo.

 

Em 2020 os Escoteiros do Brasil tiveram de se reinventar devido ao ano atípico de atividades causado pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19). A realização de atividades online seguiu mobilizando os mais de 110 mil escoteiros em todo o país, inclusive com a realização de eventos como o Jamboree Nacional Online que foram levados do mundo físico para o digital e reuniram cerca de 8 mil participantes.

 

Desde a sua fundação em 1907, o Escotismo e o Bandeirantismo têm se concentrado em capacitar os jovens em liderança e habilidades, para que promovam a paz, a compreensão mútua e estejam a serviço de suas comunidades. O escotismo ajuda a construir uma cultura duradoura de paz ao incorporar as ideias de trabalho em equipe, unidade e compreensão intercultural em seu Programa e atividades para jovens.

 

Apenas na última década, a iniciativa Mensageiros da Paz do Escotismo Mundial inspirou escoteiros ao redor do mundo a agir em suas comunidades, contribuindo para a paz e o desenvolvimento sustentável, contribuindo com mais de 16 milhões de projetos e ações locais.

 


Compartilhe esta notícia!

Veja também

Para buscar forças e continuar a jornada, funcionários da Santa Casa ‘abraçam’ o hospital

Compartilhe esta notícia!ANTONIO CRISPIM  ARAÇATUBA “Quando as coisas fogem do controle do homem. E muitas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *