15.4 C
Araçatuba
quarta-feira, maio 25, 2022

Finalidades do #ARACATUBADOBEM – Parte 8

RODRIGO ANDOLFATO

No artigo de hoje falaremos sobre três dos cinco parágrafos que tratam do assunto “NA IGUALDADE (RACIAL E GÊNERO) ENTRE OS INDIVÍDUOS” e de como agirá o #ARACATUBADOBEM neste sentido. Como muitos liberais acreditam, incluindo eu, todo homem deve ser verdadeiramente livre para escolher ser e agir como quiser, sem com isso prejudicar a terceiros em suas liberdades. Assim, o #ARACATUBADOBEM procurará incutir nas pessoas esse senso de “Liberdade Verdadeira”, enquanto ajuda todo tipo de agremiação autoidentificada, a serem mais prósperas e ricas, onde tais resultados provêm da verdadeira liberdade.
O parágrafo primeiro deste item versa assim: “Desenvolver projetos e implantar programas de ação afirmativa sobre a MENOR MINORIA QUE EXISTE, o INDIVÍDUO! Visando reparar as distorções que só causam maior ódio entre as pessoas.” Nosso verdadeiro objetivo enquanto pessoas de bem é demonstrar que não somos todos iguais. E temos a obrigação de mostrar isso para sociedade e mostrar que isso é bom. É justamente a diversidade das pessoas que permite que todos nós tenhamos chance. Imaginem vocês que existe alguém que nada muito bem e outro que luta judô muito bem. São pessoas diferentes, mas com resultados bons para ambos. As diferenças nos tornam cada um especial de uma forma diferente. E não existe ninguém igual ao outro. A gente pode constatar isso nos comparando aos nossos irmãos. Vemos muitos casos de irmãos, filhos do mesmo pai e mesma mãe, com a mesma criação familiar cultural, se tornarem pessoas diferentes umas das outras. Uns conseguem sucesso financeiro e outros não. Uns conseguem ser mais bonitos e atrativos e outros não. Uns se saem melhores nos esportes e outros não. Assim, enquanto tentarmos ceifar as qualidades inatas de cada indivíduo para não magoar o outro, estaremos criando um sentimento de revanchismo e ódio, como assistimos ao longo da história, e é isso que devemos combater.
O segundo parágrafo versa: “Promover ações que acabem com a segregação de todos os indivíduos, seja por gênero, credo, ou cor da pele, os quais separados em grupos, de algum modo causam um sentimento de torcida ou time rival.” É importante começarmos a trabalhar no sentido de sermos todos, TODOS MESMO, diferentes. E que esse sentimento de pertencimento a um determinado grupo, muitas vezes chamados de minorias, deve ser corretamente entendido para não tornar uma competição rancorosa e odiosa entre grupos. Todo ser humano nasce livre. E devemos ser livre para escolher com quem se relacionar, incluindo ai, se relacionar com certos grupos de pessoas e não com outros. Então para que serve este parágrafo? Serve para que lembremos a todos que existe o direito de escolha para todo indivíduo de escolher com quem se relacionar, com quem fazer negócios, com quem se casar, com quem querer avizinhar-se, e assim por diante. Devemos promover de forma clara tudo isso, e mostrar que somente assim, de forma livre e individual, todos nós passaremos a nos aceitar enquanto indivíduos acima dos grupos. E isso nos fará cada vez mais livres e felizes.
No terceiro parágrafo temos: “Promover a cooperação entre todos através das trocas comerciais livres que só o capitalismo proporciona, sem que para isso o indivíduo seja obrigado a vivenciar a diferença, tendo somente que aceitá-la.”. Este parágrafo é muito instrutivo e demonstra efetivamente o papel do capitalismo, e das trocas voluntárias, na diminuição da segregação e dos preconceitos. Na verdade, o comércio foi o propulsor das trocas culturais no passado. Foi graças ao comércio e a busca pelo lucro que as pessoas saiam de seus feudos para trocarem mercadorias na cidade. Neste momento em que se está comerciando, você não pergunta se o comprador acredita em tudo que você acredita, nem tampouco se comunga das mesmas ideologias políticas que você. Você não vê um dono de empresa de sucesso, escolher seus funcionários por cor da pele, religião ou gênero. O que se vê são escolhas por produtividade efetiva. Para o patrão, se a pessoa produz mais e com qualidade, ela é um indivíduo especial por natureza, e como tal está acima de características físicas e ideológicas. O mesmo pode ser dito para quem entra para comprar um bem que você está vendendo. Você o trata bem, e procura agradar seu cliente, independentemente de cor da pele, religião, preferência sexual ou gênero. É como se o capitalismo nos tornasse pessoas melhores. Mesmo que motivados pelo lucro, o fato é que o livre mercado, o capitalismo, é a melhor ferramenta de combate ao preconceito e a segregação.
Terminaremos este artigo por aqui, convidando a todos a fazerem uma releitura completa dos artigos passados pra que comecem a entender cada vez mais o papel revolucionário do #ARACATUBADOBEM em direção a uma cidade mais próspera e boa para se viver. Convido a todos a ouvir estes artigos em meu canal do YOUTUBE em youtube.com/rpandolfato. Lembrando sempre que, se quisermos mudar o mundo a nossa volta, comecemos por nós mesmos.

Rodrigo Andolfato é empresário, membro do Instituto Liberal da Alta Noroeste e idealizador do movimento #ARACATUBADOBEM

Ultimas Noticias