17.7 C
Araçatuba
quarta-feira, junho 29, 2022

Após quase 17 meses, comerciantes de Araçatuba vivem expectativa de fim das restrições na terça

DIEGO FERNANDES – ARAÇATUBA

Os setores comerciais de Araçatuba e região vivem a expectativa de nova mudança na flexibilização das atividades. Anunciada na semana retrasada pelo governo estadual, a partir de terça-feira (17) está programada a retomada dos serviços sem qualquer tipo de restrição de horário e público. 

 

Isso implica no fim das restrições de trabalho e de funcionamento de negócios, estabelecimentos noturnos, e amplia a flexibilidade para abertura de locais até o período da madrugada, como ocorre aos finais de semana com bares, lanchonetes e restaurantes em períodos comuns.

 

A flexibilização, porém, não indica o fim dos cuidados com a saúde pública, muito menos indica o fim da pandemia de covid-19. Seguirá sendo obrigatório o uso de máscaras no estado de São Paulo, principalmente nos estabelecimentos comerciais, além de ter de ser respeitada a distância de 1 metro entre clientes e entre colaboradores. Os espaços comerciais deverão seguir com o fornecimento de álcool em gel aos consumidores.

 

Será a primeira vez desde 23 de março de 2020 que as atividades comerciais irão funcionar sem qualquer tipo de restrição de público e horário em todas as regiões do estado de São Paulo, um período de quase 17 meses. Eventos sociais também passarão a ser permitidos com controle de público. Shows e eventos esportivos com torcida seguem proibidos até outubro, quando boa parte da população do estado deverá estar com o calendário vacinal contra a covid-19 completo.

 

Na prática, a mudança programada para terça-feira atinge mais os estabelecimentos noturnos. Até esta segunda (16), o funcionamento de estabelecimentos é permitido apenas até a meia-noite. Com o aumento do tempo de atendimento, será permitido, por exemplo, esticar o horário de algum estabelecimento noturno até a madrugada caso haja bom fluxo de clientes.

 

Quanto à presença de público, para a grande maioria das lojas comuns, a permissão de 80% da capacidade que vigora atualmente já comporta a quantidade de consumidores de boa parte dos estabelecimentos, sendo que a subida para 100% auxiliará restaurantes e supermercados. No caso dos restaurantes, poderá haver a instalação de mais mesas, enquanto nos supermercados haverá o fim de qualquer restrição à entrada de clientes em qualquer horário.

 

Em depoimento à reportagem do jornal O LIBERAL, a empresária de Araçatuba, Luciane Pinese, que é proprietária de dois restaurantes no município, sempre defendeu a flexibilização total de horários, acreditando que com isso haverá mais tempo para que o fluxo se distribua, para que não haja aglomerações.

 

“O ideal é aumentar o horário, porque com isso ao invés de acumular as pessoas que querem ir apenas em um horário, elas terão mais tempo para frequentar o local”, defendeu a empresária, que é presidente da UECAR (União das Entidades de Classe de Araçatuba e Região), durante manifestações em favor da maior flexibilização das atividades comerciais. “Isso beneficia bem o setor, porque a gente pode trabalhar com uma margem maior, mais tranquilo. Ampliando esse horário a gente consegue fazer com que nossos clientes venham mais espaçadamente, que não gere acúmulo de pessoas nos locais”, afirmou sobre a ampliação um tempo depois.

 

A mesma ideia foi defendida por parlamentares do município, como por exemplo o vereador Lucas Zanatta (PV), que sempre apoiou os movimentos do comércio em favor de reaberturas e mais tempo de trabalho.

 

“O estado diminui o horário, quando na verdade deveria aumentar, abrir até à noite, para que o público tenha mais tempo para ir até o comércio e diminuir a chance de aglomeração”, defendeu à época das manifestações.

 

Consequências econômicas

 

Ao longo das últimas semanas, o jornal O LIBERAL REGIONAL ouviu de empresário do setor de bares, restaurantes e lanchonetes, que as últimas flexibilizações de horário têm sido importantes para a retomada econômica.

 

Com muitas dificuldades para manter as contas em dia durante a pandemia, a volta ao trabalho mais próximo do normal foi um alento para muitos deles, como José Marchesine Neto, proprietário de uma cervejaria em Araçatuba.

 

“Culturalmente o araçatubense não vai pro happy hour, vai pra casa e depois sai. Muito disso é pelo clima também, sai depois das 20h quando dá uma refrescada. Portanto, muitas pessoas não estavam indo à cervejaria, bares e restaurantes com a restrição até às 21h”, explicou o empresário sobre o motivo de o setor necessitar com urgência, à época, da flexibilização.

 

E a volta do público aos bares, restaurantes e lanchonetes, de fato, aconteceu, em Araçatuba, como lembrou Jean Carlos Pereira do Santos, dono de estabelecimento na cidade.

 

“Foi muito bom, teve uma grande diferença de público. Veio o dobro do que estava acostumado a vir antes. Só tenho a agradecer, só não aumentou mais porque existem outros estabelecimentos”, lembrou no período em que houve aumento do horário até meia-noite.

 

A geração de empregos também é outro ponto importante que tem sido estimulada com o retorno total das atividades. Para o empresário Sildemar Paulucci, as lanchonetes presentes no seu estabelecimento passaram a contratar funcionários após os anúncios do estado.

 

“Muitos já estão até contratando funcionários, lá no food mesmo estamos em busca de profissionais”, afirmou nas últimas semanas. 

 

 

Ultimas Noticias