Home Cidades Andradina Concessionária mostra a importância do saneamento básico para a saúde

Concessionária mostra a importância do saneamento básico para a saúde

3 minutos de leitura
Compartilhe esta notícia!

DA REDAÇÃO ANDRADINA
O saneamento básico é um dos pilares fundamentais para viver com mais saúde e dignidade. Infelizmente muitos locais ainda não foram contemplados com pelo menos um dos serviços que integram a infraestrutura, como água tratada e coleta e tratamento de esgoto.
A falta do acesso a esses serviços pode gerar consequências negativas nos setores de educação, geração de empregos, turismo e principalmente à saúde.
Um balanço realizado pelo Instituto Trata Brasil em 2017 (Doenças nas 10 melhores x 10 piores cidades), relata que entre as 100 maiores cidades do país, os 10 municípios com os melhores números em água e esgoto apresentam índices bem menores em relação a doenças ligadas à água contaminada.
De acordo com dados do estudo “Benefícios Econômicos e sociais da expansão do saneamento básico no Brasil (ITB 2018)”, os problemas são graves nas beiras de rios e córregos contaminados ou em ruas onde passam esgoto a céu aberto, como em valas, sarjetas, córregos ou rios.
A exposição ao esgoto e a falta de água tratada provocam doenças que comprometem a saúde da sociedade e causam grandes impactos no sistema de saúde.
Em Andradina, o cenário é diferente devido aos investimentos realizados pela Águas Andradina nos sistemas de água e esgoto da cidade. A água distribuída é 100% tratada de acordo com as exigências estabelecidas pelo Ministério de Saúde e são realizadas cerca de 3,2 mil análises por mês. Além disso, atualmente, o município conta aproximadamente 95% de coleta e tratamento de esgoto.
Entre 2016 e 2036, estima-se que o valor presente da economia total com a melhoria das condições de saúde da população brasileira seja de R$ 5,9 bilhões, o que resultaria num ganho anual de R$ 297 milhões.
Como se espera um avanço mais rápido do saneamento no futuro, a redução das despesas com saúde deverá ser 122% superior ao observado no período de 2004 a 2016.

 


Compartilhe esta notícia!