6.4 C
Araçatuba
quinta-feira, maio 19, 2022

Picada de escorpião provoca morte de menina em Araçatuba

Uma menina de quatro anos morreu em decorrência de picada de escorpião na noite deste sábado (16) na Santa Casa de Araçatuba. O acidente aconteceu na noite de sexta-feira (15), quando a pequena Silvia Cristina Pereira da Silva, que estava com a mãe, saia de uma igreja próxima à Rua dos Fundadores, na zona leste de Araçatuba. A picada foi no pé da criança e ocorreu na rua. Nesta segunda-feira (18), Secretaria Municipal de Saúde e Santa Casa convocaram coletiva de imprensa para prestar informações sobre o ocorrido. Este é o segundo óbito envolvendo picada de escorpião em crianças em menos de três dias em Araçatuba, sendo que o primeiro é tratado como suspeita e aguarda laudo do IML para apontar a causa da morte.

Após a picada, a mãe levou a filha para o Pronto Socorro do Santana, onde foi atendida imediatamente para realização de diagnóstico de acidente escorpiônico. A equipe solicitou a transferência para a Santa Casa por conta da gravidade que foi constatada, sendo que a entrada se deu às 22h do dia 15. A menina foi a óbito no dia 16 às 22h23, pouco mais de 24 horas após a picada. O diretor clínico da Santa Casa, Sérgio doutor Sérgio Smolentzov, explicou que a rápida evolução do quadro acontece por uma série de fatores.

“A quantidade de veneno do escorpião determina a gravidade; se ele já picou alguém e picar outra pessoa em seguida, não vai ter a mesma repercussão. Mas a quantidade de veneno presente em uma criança com 10 quilos é gigantesca em proporção a uma pessoa adulta com 80 quilos”, disse. O diretor informou que no caso das duas crianças foi aplicada a dose de soro antiescorpiônico para situações graves, que são cinco ampolas. “Trata-se de uma lesão pequena, mas intensamente dolorosa, e às vezes a criança demora para avisar, a família não vê o que aconteceu, e quando percebe o quadro já está evoluindo”, disse.

No caso de Silvia, Smolentzov disse que a menina sofreu parada cardíaca e passou por procedimento de ressuscitação, mas não resistiu. “O veneno atinge o mecanismo elétrico do coração, além de provocar sudorese, taquicardia, falta de ar e outros sintomas, levando a óbito por insuficiência respiratória ou arritmia cardíaca”, explica. As duas crianças foram diretamente encaminhadas para a UTI Neonatal quando deram entrada na Santa Casa.

ESCORPIAO

CASOS

De acordo com a secretária de Saúde, Carmem Guariente, os acidentes envolvendo escorpiões em Araçatuba acontecem em todas as regiões da cidade, sendo que a predominância de reclamações está na zona sul, em bairros como Morada dos Nobres e Jussara. Em 2016 o município registrou 596 reclamações de moradores, que entraram em contato com o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), por conta de presença de escorpião em domicílio. A secretária disse que todas as ocorrências foram atendidas. Em 2017 já foram 368 reclamações registradas e atendidas pelas duas equipes do CCZ que atuam no combate ao animal peçonhento.

Já as notificações de acidentes com escorpiões em 2016 foram de 348 durante o ano todo; entre janeiro e setembro foram 242 casos, sendo que no mesmo período deste ano já foram registrados 259 casos. Neste ano, a maioria dos casos ocorreu em pessoas com idade entre 55 e 64 anos; com menores de um ano foram 5 casos e com idade entre um e quatro anos foram 7 casos notificados.

PREVENÇÃO

As equipes do CCZ realizam ações rotineiras de visitas domiciliares dos Agentes de Controle de Endemias, que orientam a população sobre como prevenir domesticamente contra escorpiões, dengue, leishmaniose e outros. As equipes também fazem atendimento às reclamações feitas por telefone. A secretária de Saúde também destacou o trabalho feito pelo Núcleo de Educação e Saúde, que realiza orientações em escolas, imóveis públicos e outros, capacitando as pessoas para realizarem semanalmente o trabalho de inspeção e eliminação de criadouros.

“O que precisamos é que essas orientações se façam acontecer pela população. Esses dois casos trágicos em um curto espaço de tempo nos deixam muito chocados, mas temos que continuar e implementar esse trabalho, que não depende só do setor público, mas também de toda a população”, desabafou a secretária.

Os casos que são atendidos pela Santa Casa são aqueles em que o paciente já está apresentando os sintomas da picada. O hospital registrou 33 atendimentos neste ano, com predominância entre julho e agosto, sendo que os únicos óbitos foram os das duas crianças.

FERNANDO VERGA – Araçatuba

Ultimas Noticias