FAMÍLIA - Edite Borges dos Santos participou da cerimônia de abertura

Diretoria de Cultura abre exposição afro

DA REDAÇÃO – TRÊS LAGOAS

A Diretoria de Cultura de Três Lagoas abriu na noite desta segunda-feira (08) a exposição Afro Professora Ednéia Borges. O evento contou com a participação da secretária de Educação e Cultura, Angela Brito; o diretor de Cultura, Heriksen Plesley e foi marcado com muita emoção pela presença da mãe da homenageada da noite, dona Edite Borges dos Santos, que ao lado da secretária abriu a exposição com o nome da filha que faleceu no dia 27 de maio de 2021, em decorrência de complicações da covid-19.
Trajados a caráter afrodescendente, os presentes puderam conferir apresentações culturais da Casa de Cultura Afrodescendência “Ilê Axè Ogum Xolá Odemileque”, além da música de Gilberto Santana e Alan Emoções. O presidente do Conselho dos Direitos do Negro, Abraão Cândido, também discursou na cerimônia.
O evento ficará aberto até domingo (14) no Salão de Eventos do Prédio da Diretoria de Cultura.

TRAJETÓRIA DA PROFESSORA EDNÉIA
Ednéia Borges Laurentino nasceu no dia 16 de novembro de 1976 na cidade de Andradina (SP) constituiu família com o marido Cícero Laurentino dos Santos com quem teve 03 filhos: Sávio José, e os gêmeos Saulo e Sofia, que eram sua maior riqueza.
Neia, como era carinhosamente chamada, estudou em escolas públicas até o ensino superior e formando em Pedagogia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul no ano de 2001. Sua vida profissional iniciou no projeto Renascer, local onde fez muitas parcerias e amizades duradouras, ingressando depois na antiga Escola São João, atual Escola Prof. Odeir, onde permaneceu até os seus últimos dias.
Edneia exerceu a função de diretora adjunta e em seguida como Diretora eleita pela comunidade por dois mandatos. O compromisso e as contribuições da professora imortalizada na educação de Três Lagoas foi o seu legado maior. O amor à educação e a humanização aflorada nos veios da sua atuação profissional e pessoal com um pensamento idealizador de contribuir para a humanização na vida das pessoas e nas suas relações com o mundo.
A luta incansável pelos direitos da cultura afrodescendentes se tornou inesquecíveis lembranças de ações idealizadoras que ficaram marcantes. Ela se tornou um ícone da educação e das lutas populares, além de ter se dedicado prioritariamente pelas missões em prol da igreja católica, sendo missionária propagando a fé em Jesus, Maria e José.

Veja também

Em quase 9 décadas, empresa funerária passa de geração para geração na cidade

Diego Fernandes – ARAÇATUBA Considerado um dos empreendimentos comerciais mais antigos de Araçatuba, a Cardassi, …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *