Home Cidades Coronavírus: psicólogo de Três Lagoas cria projeto para ajudar brasileiros no exterior

Coronavírus: psicólogo de Três Lagoas cria projeto para ajudar brasileiros no exterior

7 minutos de leitura
Compartilhe esta notícia!

ARNON GOMES – TRÊS LAGOAS

Dar uma resposta para a sociedade, através da psicologia, para o enfrentamento à pandemia. Foi com esse objetivo que o psicólogo Diego Henrique Molina dos Santos, pós-graduando em psicologia positiva, resolveu criar o projeto “Cada Pessoa Importa”.

A iniciativa, totalmente voluntária e on-line, começou de forma isolada, mas, em apenas um mês, já tem um alcance que surpreendeu seu próprio idealizador. Ele já conseguiu formar uma rede de 16 colaboradores que, além do Mato Grosso do Sul, pertencem aos estados de São Paulo e da Bahia, além de uma nutricionista de Portugal. E já atendeu pessoas do Brasil que vivem na Itália, Inglaterra, nos Estados Unidos e em solo português.

A ação é bastante simples. Por meio dos Instagram ou do WhatsApp, os psicólogos levam orientações sobre como enfrentar o isolamento social, de modo que a atual situação não acarrete estresse, ansiedade, baixa autoestima e conflitos familiares, problemas que, segundo os especialistas têm sido causados por causa do estado de alerta em que o mundo entrou devido ao coronavírus.

Inicialmente, a ideia era oferecer amparo apenas aos brasileiros que moram no exterior e que, de alguma forma, estavam vulneráveis ao risco de contaminação pela covid-19.

“Uma semana antes da quarentena, resolvi fazer esse projeto. Logo, discuti com os sócios da minha clínica. Falei com uma brasileira que conheço na Itália. Ela deu toda força na divulgação por lá”, conta. O país europeu só perde, atualmente, para os Estados Unidos em número de mortes pela doença. Até ontem, 23.227 pessoas haviam ido a óbito por coronavírus.

Molina ressalta que, a partir da primeira “live” feita nas redes sociais, na sexta-feira anterior ao início da quarentena (23/03), houve o interesse na participação no projeto por parte de colegas de profissão de outros estados.

Hoje, dos 16 profissionais que fazem a ação voluntária, 13 são psicólogos e três, nutricionistas. Molina atribui o crescimento rápido de sua ação à mobilização criada nas redes sociais e pelo WhatsApp e à adesão desses especialistas.

Com a quarentena, o projeto estendido a quem mora no Brasil também. “Daí, o projeto se ampliou. O foco era o exterior, mas sem deixar de atender os brasileiros no próprio país.”

Para a pessoa receber as orientações, basta acessar o Instagram, com o nome do projeto. Lá, a pessoa preenche um formulário presente em um link, o qual faz o direcionamento. “Dependendo do assunto, é levado a um psicólogo ou ao nutricionista”, explica.

NECESSIDADE

Para Molina, o apoio psicológico é fundamental no atual momento. “O isolamento nos trouxe algo novo. Quando lidamos com o novo, surge algo de ansiedade, medo… Com o novo, nunca é fácil. Mas, com o isolamento, é um novo muito hostil”, analisa. “Além da hostilidade, o isolamento traz angústia, medo, uma quebra da rotina muito bruta… Isso nos leva ao estresse e diminui nossa capacidade imunológica”, ressalta Molina, não deixando de mencionar o “mundo de informações” que chega às pessoas, especialmente com as fake News.

“Isso gera quantidade enorme de incertezas. Diante desse contexto, o psicólogo consegue colocar um pouco mais de razão. O nutricionista, por sua vez, trabalha a questão do alimento, pois muitas pessoas descontam essa angústia na comida”, observa.

Por outro lado, Molina acredita que é importante as pessoas analisarem as ressignificações trazidas pelo isolamento social. Ele destaca a possibilidade de casais e pais e filhos poderem se conhecer melhor. “Portanto, está sendo um momento para crescimento. Mostrar isso para o paciente diminui a negatividade da situação”, finaliza.


Compartilhe esta notícia!