Home Cidades Araçatuba Prefeito de Mirandópolis autoriza uso da hidroxicloroquina no tratamento de pacientes com covid-19

Prefeito de Mirandópolis autoriza uso da hidroxicloroquina no tratamento de pacientes com covid-19

7 minutos de leitura
Compartilhe esta notícia!

DIEGO FERNANDES – MIRANDÓPOLIS

O prefeito de Mirandópolis, Everton Sodário (PSL), autorizou a utilização de hidroxicloroquina e azitromicina para o tratamento de pacientes com covid-19 no município. A decisão foi anunciada na tarde de ontem através de um vídeo gravado pelo chefe do executivo e publicado nas redes sociais.

Ao lado do vice-prefeito Ademiro Olegário dos Santos (PSL) e da secretária de saúde Káthia Maria Zogbi, Sodário afirmou que o município é um dos pioneiros no país ao autorizar o tratamento que já foi diversas vezes defendido pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, em seus discursos e entrevistas. “Mirandópolis é um dos primeiros municípios do estado de São Paulo, inclusive um dos primeiros do Brasil, a partir de agora autorizar o departamento de saúde municipal, a utilizar a hidroxicloroquina junto da azitromicina, como tratamento contra o coronavírus”, disse o prefeito na gravação.

Sodário disse que o mundo enfrenta uma guerra e que sua cidade precisa utilizar todas as armas possíveis para derrotar a doença. “Nós estamos em uma guerra, e quando você está em uma guerra você precisa se utilizar de todas as armas possíveis para combater o inimigo. E Mirandópolis irá se utilizar de todas as armas possíveis para resguardar a vida da nossa população”, afirmou o chefe do executivo.

Segundo o prefeito, o tratamento será autorizado caso haja um consenso entre a equipe médica e o paciente. Sodário disse que sua decisão está pautada em questões médicas. “Desde o início dessa pandemia, nós tomamos todas as medidas possíveis para resguardar a saúde e a vida do nosso povo e agora, mais uma medida, inclusive pautada no Conselho Federal de Medicina, pautada em decisões de outros países que estão salvando vidas. Portanto, a partir desta portaria, o departamento de saúde está autorizado a fazer a compra da hidroxicloroquina. A partir de agora, desde que haja consenso por parte do paciente, a saúde de Mirandópolis poderá ministrar a hidroxicloroquina, bem como a azitromicina nos pacientes que porventura foram acometidos do coronavírus na cidade”, completou.

No vídeo, a secretária de saúde, Káthia Zogbi, agradece a decisão tomada pelo prefeito. “Isso facilitou muito a ação do nosso município com nossos pacientes. Vamos em frente”, disse no vídeo.

Entenda os remédios autorizados pelo prefeito

A hidroxicloroquina é um medicamento utilizado no tratamento de doenças autoimunes, sendo geralmente indicado por pacientes que têm malária, lúpus e artrite reumatoide. O medicamento pode causar efeitos colaterais como distúrbio de visão, irritação gastrointestinal, alterações cardiovasculares, neurologias, fadiga, dentre outros.

O remédio é contraindicado para pacientes com arritmia cardíaca e para menores de seis anos de idade.

Já a azitromicina é um medicamento utilizado no tratamento de doenças sexualmente transmissíveis e infecções respiratórias como pneumonia e sinusite. O medicamento é contraindicado para pacientes com diabetes, para grávidas ou mulheres em período de amamentação, e para pacientes com problemas no fígado ou rins.

Discussão sobre uso do remédio ajudou na queda de ministro da saúde

A hidroxicloroquina foi um dos motivos de desgaste entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e seu ex-ministro da saúde, Nelson Teich.

Após Teich afirmar em rede social que o remédio tinha contraindicações e que seria preciso assinar um Termo de Consentimento para a sua utilização no tratamento da covid-19, Bolsonaro disse que os ministros precisavam estar “afinados com ele”.

Nelson Teich deixou o ministério da saúde na última sexta-feira. Segundo a pasta, ele pediu demissão. Eduardo Pazzuello assumiu a pasta interinamente no último sábado.

A intenção do presidente é alterar o protocolo médico e aplicar o remédio desde o início do tratamento, enquanto o SUS utiliza a medicação apenas para casos graves.

Mirandópolis


Compartilhe esta notícia!