Home Cidades Araçatuba Dilador não recebe donos de academias: “Não vou atender”

Dilador não recebe donos de academias: “Não vou atender”

8 minutos de leitura
Compartilhe esta notícia!

DIEGO FERNANDES – ARAÇATUBA

O prefeito de Araçatuba, Dilador Borges (PSDB), se incomodou com a manifestação dos donos e empresários de academias realizada na manhã de ontem, em frente ao Paço Municipal. Durante reunião com representantes do comércio local, Dilador afirmou que não os recebeu por terem protestado em frente à prefeitura, ao invés de marcar agenda com ele. “Pessoal das academias veio aí fazer motim em frente à prefeitura, não vou atender, não estou acostumado a tratar as coisas assim”, disse o chefe do executivo em discurso durante o encontro.

Como não recebeu os representantes de academias nesta reunião, o prefeito designou o secretário de esportes e cultura do município, Sérgio Tumelero, para ouvir os empresários que foram ao manifesto. Ao ser questionado se poderiam participar de reunião com o prefeito por alguns manifestantes, o secretário afirmou que não porque a reunião já estava agendada e só estariam alguns representantes do comércio no encontro. Porém, a reunião no Paço contou com muitas pessoas no salão azul, utilizado para entrevistas coletivas.

Durante a manifestação, cerca de 40 representantes de academias da cidade, dentre empresários e profissionais de educação física, estenderam uma faixa com os dizeres “S.O.S. Academias Nós temos responsabilidade”, tentando sensibilizar o poder público sobre a possibilidade da abertura deste tipo de negócio com restrições e medidas de higienização e isolamento.

Foi o que disse Fernanda Malafaia, 37 anos, proprietária de academia e uma das organizadoras do manifesto. Segundo ela, é possível que os estabelecimentos reabram respeitando uma série de normas. “A gente é consciente de todas as questões citadas pelo governo e pelo município sobre a pandemia, mas estamos pedindo a flexibilização. É uma forma de que as pessoas possam melhorar a imunidade, a qualidade de vida, acho que temos que orientar essas pessoas sobre esse vírus”, defender Fernanda, que também comentou sobre uma cartilha a ser seguida em caso de reabertura. “Estamos fundamentados em uma cartilha da ACAD (Associação Brasileira de Academias), da OMS, e também com o Ministério da Saúde, para o respeito de regras como higienização, paramentação com E.P.I.s (Equipamentos de Proteção Individual) de forma que esses alunos vão poder fazer de forma segura. A academia de responsabiliza pela limpeza do chão, dos equipamentos, nós vamos fazer entrega de senhas, agendamentos, algo muito organizado”, afirmou.

O grupo foi a manifestação levando um estudo com projeções econômicas sobre o que pode ocorrer caso as academias sigam fechadas por mais tempo. Segundo dados levantados pelos próprios empresários, em 22 academias de Araçatuba trabalham atualmente 176 funcionários. Caso os empresários do setor não consigam voltar ao trabalho, pelo menos 159 deles podem começar a ser demitidos já a partir da próxima semana.

Além disso, o estudo também trazia informações sobre a importância do exercício físico neste momento de pandemia do novo coronavírus, com dados mostrando que a atividade exercida na academia aumenta a imunidade, principalmente nos idosos.

Alexandre Scatena, de 35 anos, proprietário de uma academia especializada em Cross-Fit, comenta sobre o levantamento realizado antes do protesto e afirma que houve instrução anterior para que fundamentassem o protesto. Ele está preocupado com a parte financeira de seu estabelecimento. “Nossa profissão é tão essencial quanto qualquer outra que está sendo aberta. Estamos lidando também com o estado emocional, pessoal está sendo falta, estão ficando com crise de ansiedade, muitos estão tomando remédio, isso nos preocupa, tanto a questão financeira quanto a parte mental”, disse Scatena, que afirmou ter 8 funcionários em sua academia e pode demitir até 4 colaboradores nas próximas semanas.

Secretário afirma que é necessário que a prefeitura argumente com o estado sobre a possibilidade de abertura

Todo o estudo foi entregue ao secretário de esportes Sérgio Tumelero após conversa de aproximadamente meia hora em frente ao Paço Municipal. Em fala à reportagem, Tumelero reafirmou o posicionamento oficial de todos na prefeitura, sobre o fato de o poder municipal não poder se sobrepor com decretos ao executivo estadual, porém, disse que há necessidade de reivindicação por parte da prefeitura. “Precisa ficar muito claro que é uma questão de um decreto estadual que está sendo seguido no município, mas ele precisa ser verificado e, inclusive, algumas vezes, argumentado junto ao governo do estado”, afirmou o titular da pasta de esportes do município.


Compartilhe esta notícia!