PRISÃO - Os seis brasileiros foram presos nessa segunda-feira REPRODUÇÃO/Policia Nacional del Paraguay

Polícia paraguaia prende brasileiros em investigação por execuções na fronteira 

Compartilhe esta notícia!

DA REDAÇÃO

Nessa segunda-feira (11), a polícia do Paraguai prendeu, seis brasileiros suspeitos de estarem envolvidos no assassinato de quatro pessoas na fronteira do Brasil com o país. Os mortos são duas brasileiras e dois paraguaios. Na mesma região, no mês passado foi executado um rapaz com família em Araçatuba.

O Departamento Contra o Crime Organizado informou que os seis foram detidos em uma casa  na Villa Estefan de Amambay, em Pedro Juan Caballero. Foram apreendidos três carros que teriam sido usados pelo grupo. De acordo com a polícia, a caminhonete usada na chacina também saiu do mesmo endereço. Esse veículo foi encontrado queimado. Outro suspeito já tinha sido preso no domingo (10) durante uma perseguição. De acordo com a polícia, os suspeitos estão à disposição do Ministério Público. 

 

O CRIME

A execução foi no sábado (9) em Pedro Juan Cabalero, fronteira do Paraguai com o Brasil. As quatro vítimas estavam em um carro,  saindo de uma festa, quando foram alvejadas.  Câmeras de segurança registraram o momento do crime. 

Uma das vítimas é Haylee Carolina Acevedo Yunis, de 21 anos, filha de Ronald Acevedo, governador de Amambay, no Paraguai. As duas brasileiras são Kaline Reinoso de Oliveira, de 22 anos e Rhamye Jamilly Borges de Oliveira, de 18 anos. As duas estudavam medicina no país vizinho.  Ainda morreu Omar Vicente Álvarez Grance, de 32 anos.

As investigações preliminares apontam que o crime possa ter sido cometido por disputa de território por facções criminosas. Há também uma versão de que um dos mortos teria delatado integrantes de uma facção criminosa.

 


Compartilhe esta notícia!

Veja também

Shopping faz entrega de mil exemplares de livro em escolas e entidades de Araçatuba

Compartilhe esta notícia!DIEGO FERNANDES – ARAÇATUBA Como parte da programação do mês das crianças, a …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *