Home Cidades Três Lagoas Em atenção à saúde e meio ambiente, secretaria intensificará ações contra queimadas urbanas

Em atenção à saúde e meio ambiente, secretaria intensificará ações contra queimadas urbanas

6 minutos de leitura
Compartilhe esta notícia!

Tempo seco e baixa umidade do ar sempre são motivos de preocupação para os departamentos de Saúde e Meio Ambiente de todo o Brasil, principalmente entre maio e agosto, quando tem o início da estiagem comum em nossa região.
Mais que comuns são as frequentes queimadas em galhadas, folhagens e terrenos baldios que as pessoas provocam neste período, causando transtorno para a população. Em Três Lagoas, as denúncias destes crimes ambientais já começaram a ser registradas e a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Agronegócio (Semea) começa a elaborar um plano de ação para combater essa prática e penalizar os responsáveis pelo ato.
Segundo o secretário da Semea, Toniel Fernandes, a fiscalização estará atuando com maior rigor neste ano. “Assim como estamos desempenhando na Operação Porco Solto, as queimadas também estão na mira dos nossos fiscais. É crime ambiental e causa prejuízos à saúde. Infelizmente ainda tem pessoas que tem esse costume”, explicou Toniel.
No ano passado, o período de estiagem foi intenso, chegando a aproximadamente 100 dias sem chuva. De janeiro a junho de 2018, a Semea registrou 214 casos de queimadas. Foram emitidos 44 autos de infração, sendo 100 UFIM’ s por lote, o que corresponde hoje a R$ 479. Neste ano, foram 84 denúncias registradas, sendo aplicados 20 autos de infração.

SAÚDE
Crianças e idosos são os que mais sofrem com as consequências das queimadas. O número de atendimentos à pacientes com doenças respiratórias e alergias causadas pela fumaça quase que dobra no período seco. A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) também faz um alerta sobre os riscos.
A coordenadora de Vigilância em Saúde Ambiental, Gisleine Saiar, explica que em 2018, foram atendidas 679 crianças de 0 a 5 anos, na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) com infecções respiratórias agudas, asma, bronquite, asfixia, sinusite, alergias e outras. Neste ano, ainda não há um relatório do número de atendimento por essas enfermidades, porém, estima-se que já esteja aproximando do total do ano passado.
DENÚNCIA
Importante ressaltar que a Semea não apaga fogo. É um órgão fiscalizador e de preservação ao meio ambiente. No Município, o Corpo de Bombeiros é responsável por combater incêndios, porém, no caso de queimadas, existem critérios a serem observados.
De acordo com o Subtenente Cândido, chefe da seção de Comunicação do Corpo de Bombeiros de Três Lagoas, denúncias de queimadas são analisadas para possível atendimento. “Durante este período crítico, todas as denúncias são registradas, porém, para irmos ao local, o caso passa por uma classificação de risco. Muitas pessoas ligam para denunciar queima de lixo doméstico ou limpeza de terreno, o que não causa risco de incêndio em grande proporção. Como temos três viaturas de combate, e no período existem vários incêndios ao mesmo tempo, dificultando o atendimento. Desta forma, priorizamos, as queimadas em locais próximos a rodovias, aeroporto, área florestal, e onde há riscos de atingir rede elétrica, imóveis e locais com material inflamável”, explicou o Subtenente.
Já a Polícia Militar Ambiental (PMA) presta apoio aos dois órgãos e está presente também na área rural. A PMA tem autoridade para lavrar auto de infração e encaminhar os autores à delegacia, caso sejam identificados. Além da saúde e meio ambiente, queimadas também prejudicam animais silvestres, aves e árvores nativas.

DA REDAÇÃO
TRÊS LAGOAS


Compartilhe esta notícia!