TRABALHO - Mais de 70% dos reeducandos possuem atividades profissionais e cerca de 50% estudam

CR de Lins completou 20 anos com presos cursando ensino superior

Compartilhe esta notícia!

DA REDAÇÃO – LINS

 

O CR de Lins, Centro de Ressocialização “Dr. Manoel Carlos Muniz”, completou 20 anos de atuação no último dia 4 do mês de setembro.

 

O estabelecimento penal abriga, atualmente, 220 detentos, entre os regimes provisório, fechado e semiaberto. Aproximadamente 32% da população carcerária trabalham em empresas parceiras da unidade e para a prefeitura municipal, por meio de contratos firmados pela Fundação “Prof. Dr. Manoel Pedro Pimentel” (Funap). O trabalho externo, porém, está suspenso em razão da pandemia.

 

Outros 40% dos presos exercem atividades de manutenção dentro do Centro de Ressocialização, como limpeza, cozinha e obras de reparo. Já no setor de educação, quase metade do efetivo carcerário (48%) estuda regularmente nos ensinos Fundamental e Médio.

 

Ensino Superior

 

Desde o início de agosto deste ano, 20 reeducandos começaram um curso universitário de Tecnologia em Logística, na modalidade de Ensino a Distância (EAD). Isso é possível porque o Centro Universitário de Lins (Unilins) firmou, por meio da Funap, uma parceria inédita com o CR de Lins e outras 11 unidades da região.

 

O Centro de Ressocialização oferta, ainda, diversos cursos profissionalizantes aos reclusos e participa de projetos destinados ao meio ambiente, em parceria com a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) e prefeitura.

 

Resgate de valores

 

Diretora do CR de Lins, Maria Auxiliadora de Paula destaca que a unidade prisional tem atuado dentro do que prevê as diretrizes da Lei de Execução Penal. “Buscamos dignificar a pessoa humana, resgatando valores e oportunizando a reinserção social”, frisa a diretora.

 


Compartilhe esta notícia!

Veja também

Com rios em estado crítico, reservatórios estão com 0% de volume útil

Compartilhe esta notícia!Desde o dia 15 de setembro (quarta-feira), os reservatórios das usinas de Três …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *