Funcionários que trabalhavam em Centro da Covid-19 estão com salários atrasados

Compartilhe esta notícia!

Um impasse entre a Prefeitura de Penápolis e a OSS (Organização Social de Saúde) Associação Hospitalar Beneficente do Brasil, que gerenciava o Centro contra a Covid-19 do município deixou cerca de 63 funcionários, entre médicos e auxiliares de limpeza, sem receberem o salário de janeiro. Na manhã dessa sexta-feira (12), o prefeito Caique Rossi (PSD) recebeu alguns dos trabalhadores, mas o encontro terminou sem data para o pagamento.

A reportagem do jornal O LIBERAL REGIONAL apurou que há uma semana os serviços no Centro Covid-19 foram encerrados. Desde então, os atendimentos para os infectados ocorrem na Santa Casa de Penápolis. Segundo o prefeito, a decisão de encerrar os atendimentos por lá ocorre para que os atendimentos sejam todos centralizados e para que haja economia de recursos públicos.

Mas, os funcionários que lá trabalhavam estão sem receber os salários de janeiro. Em entrevista à reportagem, uma auxiliar de farmácia contou que são desencontros de informações e nenhuma notícia concreta para o depósito.

“Estamos sem o salário, sem o nosso vale-refeição e até agora ninguém fala de nos pagar. Falamos com a AHBB, que nos mandou procurar a Prefeitura. Procuramos o prefeito, que disse para procurarmos a OSS. Todos jogam um para o outro e enquanto isso estamos sem receber nosso salário”.

Já um recepcionista está desempregado desde que o Centro da Covid foi fechado. Sem o salário de janeiro, as contas se acumulam. “As nossas contas estão vencendo e não temos dinheiro para pagar diante dessa situação. É revoltante, porque prestamos o nosso serviço corretamente, estávamos na linha de frente de combate ao coronavírus”, lembrou.

IRREGULARIDADES

O prefeito Caique Rossi disse que não fez o repasse à AHBB depois que uma comissão encontrou irregularidades no plano de trabalho do Centro da Covid. Ou seja, a folha de pagamento que está registrada é de cerca de R$ 150 mil. Mas, ao realizar contabilidade interna, o valor real da despesa é de R$ 90 mil. “Tinha funcionário registrado para ganhar R$ 8 mil, mas o valor repassado foi de R$ 47 mil”, disse o prefeito.

Diante dessa situação, a Prefeitura entrou com solicitação junto à Procuradoria do Trabalho para que pedir autorização para o repasse. “Diante dessas irregularidades, eu não posso fazer o pagamento senão poderei ser responsabilizado. Assim que a Procuradoria der um parecer favorável nós iremos depositar o dinheiro no ato”, concluiu Caique.

POSICIONAMENTO

Por meio de uma nota, a AHBB informou que está trabalhando, juntamente com o Executivo, para encontrar uma solução e realizar o pagamento o mais breve possível. “O Executivo, até o presente momento, não realizou nenhum repasse referente a janeiro. A elaboração do contrato, determinação dos valores, justificativas de prorrogação, publicidade e publicação dos atos e estudos técnicos referentes ao contrato são atos exclusivos da Prefeitura”. Por fim, a OSS agradeceu o comprometimento de todos os funcionários que trabalharam diretamente no combate ao coronavírus.


Compartilhe esta notícia!

Veja também

Tribunal aponta sucessão de falhas em construção de escola milionária

Compartilhe esta notícia!DA REDAÇÃO – ARAÇATUBA O TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado de São …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *