20.3 C
Araçatuba
segunda-feira, junho 27, 2022

“ELA SENTIU OS OSSOS SE QUEBRANDO”, DIZ DELEGADO SOBRE COMERCIANTE QUE FOI PRENSADA

Pela primeira vez após ser atropelada e prensada na parede da própria lanchonete em Buritama, a comerciante Eliane Negrelli, de 44 anos, prestou depoimento à Polícia Civil na Santa Casa de Araçatuba, hospital que continua internada desde o dia dos fatos. Para o delegado responsável pelo inquérito não restam dúvidas de que o ato foi intencional.

Logo cedo, a movimentação de viaturas policiais foi intensa dentro da unidade hospitalar. As equipes de investigadores e o delegado Nilton Marinho chegaram ao setor de internações por volta das nove horas da manhã de quinta-feira (06) e já subiram ao quarto onde está internada a comerciante. Durante o depoimento, o marido da vítima também chegou ao hospital com alguns pertences e uma televisão para a mulher.

A equipe do jornal O LIBERAL REGIONAL acompanhou, do lado de fora, toda a movimentação. O interrogatório de Eliane durou mais de duas horas e só foi terminar já na hora do almoço. Para a polícia, com o depoimento da vítima, ficou claro que Isac Alexandre Gaspar Pinto, responsável pelo atropelamento da mulher, foi intencional.

“As declarações dela nos deram um maior convencimento de que o Isac Alexandre (autor) teve a intenção, foi proposital, por conta de todos os detalhes. A vítima e o cunhado deixaram o interior da lanchonete para tentar impedir o ato do homem, pois o medo era de que ele invadisse e atropelasse as outras pessoas que ali estavam com a caminhonete. O autor direcionou o veículo e prensou a Eliane covardemente. Uma parte chocante do depoimento é ela dizendo que sentiu os ossos se quebrando, por causa da pressão daquele veículo. Depois disso, o autor continuou acelerando. Esses detalhes serviram para nos convencer de que houve o dolo.”, informou o delegado Nilton Marinho.

Ainda de acordo com a polícia, na noite do crime, Isac e a esposa fugiram para a casa de amigos em Votuporanga, na região de São José do Rio Preto. O delegado também não descarta a hipótese de indiciá-la por participação na tentativa de homicídio.

“Ela não soube explicar a atitude do marido de ter investido duas vezes com a caminhonete, porém tentou nos convencer de que eles não teriam visto as vítimas e não tinham a intenção de atingi-los, o que não nos convenceu, naturalmente”, complementou.

Com o depoimento da comerciante, 13 testemunhas já foram ouvidas. Agora, a polícia aguarda o resultado de todos os laudos periciais e espera ouvir mais uma testemunha em Votuporanga para encerrar o inquérito. Desde o dia do crime, o suspeito está foragido. Um mandado de prisão temporária está em aberto, mas ainda não existem pistas do paradeiro do empresário.

“Nós estamos todos empenhados, tanto a Polícia Civil quanto a Polícia Militar, com o apoio da população, para darmos cumprimento a esse mandado de prisão”, disse o delegado.

CASO
Segundo a polícia, a ação teve início pouco mais da meia noite de sábado, dia 25 de agosto. O empresário e a esposa estavam dentro do comércio quando começaram uma discussão com um grupo de amigos. O acusado ficou bastante exaltado.

Para evitar mais confusão, a proprietária do depósito decidiu fechar o estabelecimento. O autor ficou indignado com tudo aquilo, foi até a área externa e começou a atirar pedras contra a porta de vidro do local, na tentativa de quebrá-la.

Não satisfeito, o indiciado entrou em sua caminhonete F250 e a jogou contra a fachada da lanchonete, causando muitos estragos. Na sequência, ele engatou a marcha ré e pela segunda vez jogou o veículo contra o prédio e nesse momento a dona entrou na frente e tentou impedir o ato, quando foi atropelada e prensada contra a parede. A parte da frente do local ficou destruída. Além do vidro da porta ter sido quebrado, o motorista ainda derrubou parte da parede com o impacto.

Vitor Moretti

Ultimas Noticias