Sexagenária, Kombi atrai cada vez mais apaixonados por antigos

Este sábado (02) marcou os 60 anos da fabricação da primeira Kombi no Brasil, um dos veículos mais clássicos do automobilismo mundial e que recebeu no país um apego diferente. A produção iniciou em setembro de 1957, quando o veículo era conhecido como “furgão Volkswagen”, mas a Kombi já era importada desde o começo dos anos 1950. No restante do mundo ela parou de ser fabricada no final dos anos 1970, mas os brasileiros foram muito além: usaram, compraram, venderam e colocaram na história 1,5 milhão de Kombis, enquanto no mundo todo foram produzidas 10 milhões de unidades.

O carro é uma verdadeira paixão nacional e virou peça de colecionador. Por conta do espaço que ele tem no mercado nacional, que parou de fabricá-lo apenas em 2013, o Brasil se tornou um dos maiores exportadores de Kombis “clássicas” que chegam a custar algumas centenas de milhares. O veículo só deixou de ser fabricado por conta da legislação de segurança, uma vez que os carros começaram a vir com airbags e ABS nos freios.

ALMA

A “velha charmosa” paira entre o brega e o cult, atraindo os mais variados perfis de admiradores. Mas fato é que quando ela passa, todo mundo olha. “Muita gente criticou quando a gente comprou, mas todo mundo agora quer entrar, dar uma voltinha, tirar foto”, conta Anita Marques Laranjeira, empresária de 29 anos que é dona de Kombi. Ela e o marido Bruno de Sousa Lima Fernandes, 34 anos e também empresário, participam do clube Antigos S/A. que reúne apaixonados por veículos antigos para organizar exposições e promover uma relação diferenciada com os carros.

“O pessoal fala que a Kombi e o Fusca têm alma, então quando você acha a sua alma gêmea não tem jeito”, diz Bruno. O casal destaca que, além do charme, cada carro antigo tem a sua peculiaridade. “Os novos parecem todos iguais, de plástico, você não consegue distinguir qual é qual. O antigo tem história e todo mundo se lembra de um carro antigo que o avô, pai ou tio tinha”, concordam.

Eles batizaram o veículo de Carla Perez, homenagem à famosa dançarina dos anos 1990. “É por que é antiga, mas é popular ainda hoje”, conta Bruno. “E também por que foi muito desejada”, completa Anita. O casal considera o veículo como parte da família e, para a proprietária, foi amor à primeira vista. “Eu vi pela primeira vez no bairro Nossa Senhora Aparecida e quis imediatamente. Depois encontrei em um site, só que dizia que estava em Nhandeara. Depois essa Kombi apareceu em Taveira e foi uma confusão”, explica Anita, que percebeu que se tratava do mesmo veículo em anúncios diferentes quando a achou, definitivamente, no bairro Hilda Mandarino.

Anita diz que quando foram ver o veículo o marido tentou faze-la desistir. “Ela estava arrebentada, cheia de fios puxados, tinha acabado de ser utilizada nas eleições, um bagaço. Mas eu queria essa, não queria nem reformada. Ela nem ligou quando a gente foi buscar e tivemos que tirar da garagem empurrando. Não tinha combustível, não tinha bateria, não funcionava. O Bruno queria ir embora, mas eu bati o pé”, lembra. O casal tem o veículo há cerca de um ano.

VERGONHA

Bruno diz que o filho deles, que tem 9 anos, tinha vergonha da Kombi, mas que hoje o carro se tornou o xodó do menino. “Hoje a molecada gosta, se diverte, a gente usa pra levar ele na escola, pra buscar, a gente vai pra rancho, pesca. Os amigos dele podem comer salgadinho dentro dela que não tem problema. Nós viajamos para encontros e levamos a bicicleta do nosso filho junto”, conta. Anita diz que a graça do carro antigo é fazer amigos de verdade. “Nosso filho percebeu que ao invés do pessoal rir dele eles queriam passear com ele”.

Os amigos e familiares tentaram fazer o casal desistir da compra, mas ela acabou acontecendo como um presente de aniversário para Anita, que sempre foi apaixonada por kombis. Na infância ela brincava dentro da de um tio e isso ficou em sua memória. “Falavam que a gente ia ficar na rua e que não iam buscar a gente, que só ia gastar dinheiro. Só que agora as pessoas perguntam se a gente não quer vende”, diz Bruno.

A Kombi se tornou um carro do dia a dia da família, que optou por não restaurá-la para que pudessem fazer o trabalho necessário a seu modo. O casal explica que a restauração leva muito dinheiro e deixa o carro impecável, “mas não é o nosso estilo. Ela é meio Frankenstein e todo mundo gosta dela assim”, diz Bruno. “Ela estava feia, o motor tinha pegado fogo, estava parada há um tempão e do nosso jeito começamos a melhorar ela, de acordo com o gosto da Anita”, diz Bruno.

PREÇO

Bruno destaca que o carro antigo é mais barato que uma bicicleta elétrica, hoje em dia. “Às vezes encontramos carros antigos bem conservados por R$ 2 mil e a paixão está em você cuidar dele, aprender a trocar algumas peças”, explica. “O Fusca e a Kombi eram carros feitos para o povo, para durar, e era para qualquer um poder consertar, também, por isso são veículos simples. Nesses carros, a lataria acaba antes do motor, por que o motor é muito resistente. A lataria acaba, mas o carro ainda anda”, enfatiza. “O preço que eu gasto para comprar e manter uma Kombi não paga nunca um carro novo. E ela nos dá retorno emocional diferente de um carro convencional. Todo mundo fala que não compraria, mas todo mundo gosta de ver de perto, de tocar”, conta.

Da Redação

Veja também

Ritinha Prates recebe visita de empreendedor do projeto Caçadores de Bons Exemplos

DA REDAÇÃO – Araçatuba De passagem por Araçatuba, onde veio ministrar palestra no Dia de …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *