PERIGO - Apesar da redução, número de casos ainda é considerado alto e combate à proliferação do mosquito deve ser intensificado

Município registra queda de 69% nos casos de dengue

Compartilhe esta notícia!

ARNON GOMES – ARAAÇATUBA

Araçatuba registrou, no ano passado, queda de 69,7% no casos de dengue na comparação com 2019. Apesar da redução, o município registrou, no ano que marcou o início da pandemia de covid-19, a segunda maior quantidade de confirmações da doença transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti na década passada.

De acordo com números divulgados ontem pela Vigilância Epidemiológica Municipal, a cidade contabilizou 2.380 casos de dengue. No ano anterior, havia sido 7.879, o maior número registrado entre 2011 e 2020.

Dois mil e 21, por sua vez, começou com a expectativa de uma redução maior. Araçatuba totalizou o menor número de confirmações para janeiro nos últimos três anos. No mês passado, foram 28 registros, enquanto no mês inicial de 2020 e 2019, foram 276 e 68, respectivamente. Isso significa que, em relação a janeiro do ano passado, a queda foi de 89%. Em janeiro de 2018, foram apenas cinco casos. Naquele ano, aliás, o município totalizou 47 pessoas acometidas pela doença, o terceiro menor volume na série histórica.

Mesmo com mais de duas mil confirmações da dengue em 2020, diferentemente de 2019, Araçatuba não registrou mortes pela doença. Da mesma forma, pelo quinto ano consecutivo, não houve registros de casos nem de mortes por zíka virus, conforme o levantamento. Por chikungunya, desde 2018, não há qualquer notificação. Ambas as doenças têm o mesmo agente transmissor.

PREVENÇÃO

Os números podem indicar uma tendência de diminuição, mas o verão combinado com o tempo chuvoso serve de alerta para a prevenção contra as doenças transmitidas pelo Aedes, que proliferam justamente em ambientes com água parada. As estatísticas mostram que, normalmente, no primeiro semestre, ocorre a “explosão” de casos. Segundo a Vigilância, o período de janeiro a junho respondeu por 90% dos casos de 2020. Das 2.380 notificações ocorridas durante todo o ano, 2.158 ocorreram nesse intervalo.

COMBATE

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, devido à proliferação do novo coronavírus, todas as ações estão obedecendo recomendações do Ministério da Saúde quanto ao uso de EPis (Equipamentos de Proteção Individual) e distanciamento seguro nas visitas aos imóveis, respeitando localidades com pacientes de risco como idosos.

Em resposta a requerimento sobre a situação da dengue no município em maio do ano passado, já durante a pandemia, a administração municipal destacava algumas de suas principais ações no combate à doença.

Dentre elas, estava o trabalho das equipes de controle de vetores /endemias em horários diferenciados. Outro ponto destacado foi a realização de reuniões semanais com os supervisores dos agentes de vetores e endernias na Secretaria de Saúde juntamente com a Sucen (Superintendência de Controle de Endemias) a fim de se estabelecer estratégias e ajustes necessários de acordo com a apresentação do cenário de casos notificados e casos positivos. Também foi citada a intensificação de ações no controle de vetores, como criadouros e nebulização com carro em bairros que apresentam casos positivos de dengue e alto índice de disseminação da doença.

 

 

Série histórica

 

Confira a quantidade de casos de dengue em Araçatuba, por ano, desde 1998:

 

Ano         Quantidade

 

1998       599

1999       527

2000       745

2001       448

2002       836

2003       3.092

2004       2

2005       22

2006       2.380

2007       2.538

2008       14

2009       563

2010       11.509

2011       71

2012       524

2013       584

2014       1.861

2015       1.678

2016       694

2017       103

2018       46

2019       7.879

2020       2.380

 

Fonte: Vigilância Epidemiológica de Araçatuba.

 

 

 

 


Compartilhe esta notícia!

Veja também

Em um ano, 700 denúncias de abandono e maus-tratos de animais

Compartilhe esta notícia!ARNON GOMES – ARAÇATUBA Em um ano, Araçatuba registrou 701 denúncias de descaso …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *