14.7 C
Araçatuba
quarta-feira, agosto 10, 2022

Justiça marca exame de insanidade mental para acusado de matar Paola Bulgarelli

A Justiça de Araçatuba marcou para o mês de maio a perícia que será realizada em Emerson de Barros Lins, o ‘ Miojo’ , suspeito de assassinar, estuprar e ocultar o corpo da jovem Paola Bulgarelli em 2015 na cidade. O júri, que estava marcado para ocorrer em fevereiro foi suspenso após pedido da defesa para que o réu passasse por um exame de insanidade mental.
De acordo com informações apuradas pela reportagem do jornal O LIBERAL REGIONAL, a perícia foi marcada para ocorrer no dia 03 de maio deste ano e será feita por peritos da região de Araçatuba. Somente após o resultado do laudo é que o poder judiciário poderá tomar uma nova medida e até remarcar o júri popular. Ainda não há prazo para quando isso ocorrerá. O julgamento de Lins já foi adiado duas vezes.
Na última decisão que suspendeu o júri, o pedido foi feito, já que existiam dúvidas substanciais a respeito da integridade mental de José Emerson. “Fortes indícios de que é inimputável, isto é, incapaz de, no momento da ação, entender o caráter ilícito de sua ação ou de determinar-se de acordo com esse entendimento”.
O promotor do Ministério Público, Adelmo Pinho, concordou com a instauração do exame. Portanto, o juiz do caso, Henrique de Castilho Jacinto decidiu que o procedimento deverá ser feito para que não restam dúvidas dos jurados no momento do julgamento.
“Tratando-se de prova com concordância de ambas as partes, embora tenha sido pedido pela defesa, não há razão para o indeferimento, sendo que aguardar a sessão de julgamento traria trabalho desnecessário à toda serventia. Ademais, a existência do laudo será essencial para esclarecer eventuais dúvidas que possam surgir aos senhores jurados”, informou o juiz na decisão.
‘Miojo’ continua preso e responde por homicídio, estupro, ocultação de cadáver e furto. Caso condenado e somando-se todas as penas pode pegar até 47 anos de reclusão. Em junho deste ano, o processo do caso retornou do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo confirmando a sentença de pronúncia, ou seja, sem nenhuma alteração feita pelo juiz de direito Emerson Sumariva Júnior, titular da 3ª Vara Criminal de Araçatuba. A partir de então, o magistrado remeteu o processo para a 1ª Vara de Execução Penal.

CRIME
A jovem Paola Cristina Bulgarelli, na época com 20 anos de idade, desapareceu em junho de 2015 no caminho de ida para o trabalho, no bairro Alvorada, zona sul de Araçatuba. Moradores da cidade se mobilizaram e fizeram uma campanha nas redes sociais na tentativa de encontrá-la. O corpo foi localizado por um pescador em 12 de junho de 2015 no Ribeirão Baguaçu, no mesmo bairro, em estado avançado de decomposição. José Emerson de Barros Lins, que na época tinha 18 anos, morava no mesmo bairro da vítima e a conhecia. Ele foi preso dois dias depois do corpo ser encontrado, em Castilho (a 130 km de Araçatuba), por policiais militares. Ele estava na casa de familiares e foi denunciado à polícia pela própria família. Depois de ser preso, confessou ter abusado sexualmente da jovem e matado ela com pauladas na cabeça. O rapaz encontrou a jovem próximo a uma ponte que passa sobre o Ribeirão Baguaçu, próximo a casa onde Paola morava e disse que gostaria da ajuda dela para tirar uma foto de uma cobra sucuri que um pescador havia matado. Paola, que conhecia o autor, desceu com ele até a beira do ribeirão. Foi quando o jovem aplicou-lhe uma ‘ gravata’ e cometeu o abuso sexual. A jovem pediu ao criminoso, apenas, para que ele não a matasse.
Depois de abusar da jovem, e possivelmente com medo de ser denunciado, ‘ Miojo’ começou a agredi-la a pauladas na cabeça. Ele ficou parado, ao lado do corpo de jovem, já inconsciente, por volta de 30 minutos antes de jogá-la no ribeirão. Alguns dias depois, o suspeito foi preso por policiais militares na casa de parentes em Castilho. A própria família o denunciou. Após ser preso, José Émerson confessou todo o crime.

Vitor Moretti
Araçatuba

Ultimas Noticias