Indústria mantém ritmo de contratações

Compartilhe esta notícia!

ARNON GOMES – ARAÇATUBA

Não foi igual ao mês passado, quando teve um desempenho estrondoso, quebrando todos os recordes de bom desempenho da história. Mas, o resultado não deixa de ser positivo. Pelo terceiro mês conseguido, a indústria regional contratou mais do que demitiu, algo que não acontecia desde maio do ano passado.
De acordo com a pesquisa mensal “Nível de Emprego da Indústria”, divulgada ontem pelo Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) e pela Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), em outubro, as fábricas de 34 municípios da região de Araçatuba criaram aproximadamente 250 postos de trabalho.
O desempenho representou uma variação de 0,46%, o quarto melhor resultado dentre 37 regiões administrativas pesquisadas em todo o território paulista. À frente de Araçatuba, apareceram Botucatu (1,50%), Sorocaba (0,58%) e Santos (0,51%).
Conforme o levantamento, as contratações na região foram impulsionadas pelas variações positivas dos setores de artefatos de couro, calçados e artigos para viagem, com 2,28%, e produtos alimentícios, 0,39%. Outro segmento a influenciar no cálculo também foi o de celulose, papel e produtos de papel, que ficou em 1,63%.
Com esses dados, em toda a série histórica da pesquisa, iniciada há 13 anos, quando considerados apenas os números referentes a outubro, 2019 só não foi melhor do que 2006 – naquela ocasião, o saldo foi de 0,52%. Desde 2007, quando o índice foi de 0,07%, o décimo mês do ano não terminava com resultado positivo. Em 2018, por exemplo, a média para esse mês foi de -0,34%, consequência do corte de 200 vagas na manufatura no período.
ANÁLISE
O diretor regional do Ciesp, Samir Nakad, avalia que a abertura de oportunidades no setor calçadista resultou de um fator extra, não sendo suficente para se falar em retomada ainda.
“No caso do calçado e confecção, foram contratações extemporâneas, que só estão servindo para atender alguns pedidos de fim de ano. Houve casos de algumas empresas que não haviam calculado o número de gente e, de última hora, precisaram contratar pessoas, gerando uma melhora nos números”, analisa o dirigente. “Em relação ao setor alimentício, foi uma multinacional, cujo nome não posso informar por questão ética, que fez contratações e, por isso, gerou um melhor desempenho nesse mês.”
Mesmo assim, Samir entende que “estamos começando a caminhar” para que o próximo ano seja melhor. “Isso porque, de certa forma, cessaram as dispensas e isso é muitíssimo positivo. Acredito que, daqui para frente, vamos começar a enxergar horizontes”, conclui o diretor.
Antes de outubro, a indústria regional havia fechado agosto com saldo de 0,37% e setembro com 4,60%, fruto de 2,3 mil admissões registradas somente naquele mês. No ano, o acumulado chega a 0,93%, representando um aumento de aproximadamente 500 postos de trabalho.

—–

Bom desempenho caminha na contramão do Estado

O bom desempenho da indústria regional caminhou na contramão do resultado de todo o Estado em outubro. A média estadual foi de -0,14%, como consequência do encerramento de três mil postos só no último mês.
Nessa mesma base de comparação, computados os dados do acumulado do ano, entre janeiro e outubro, o resultado segue negativo e totaliza o encerramento de 12,5 mil vagas na indústria (-0,60%).
“O resultado do mês foi influenciado pelo setor sucroalcooleiro, com o início do período de demissões dos safristas, além de observadas demissões no setor do vestuário, que é um movimento dentro da normalidade para o mês. Apesar do saldo negativo, a baixa para o emprego na indústria paulista é comum para outubro, visto que a média para esse mês é de fechamento de 4 mil vagas”, avalia José Ricardo Roriz, 2º vice-presidente da Fiesp e do Ciesp.
POR SETORES
Entre os setores acompanhados pela pesquisa, 50% apresentaram variações negativas, com sete contratando, onze demitindo e quatro permanecendo estáveis.
Os principais destaques no campo positivo ficaram, principalmente, por produtos diversos (600); produtos de minerais não metálicos (415) e produtos de borracha e material plástico (332).
Entre os destaques negativos, ficaram confecção de artigos do vestuário e acessórios (-1.414), coque, derivados de petróleo e biocombustíveis (-1.236) e veículos automotores, reboques e carrocerias (-697).

 


Compartilhe esta notícia!

Veja também

Prefeitos lançam campanha de arrecadação para a Santa Casa

Compartilhe esta notícia!DA REDAÇÃO – LINS O prefeito de Lins, doutor João Pandolfi e o …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *