Home Cidades Araçatuba Fiscalização do TCE mostra que volume de obras paradas na região ainda preocupa

Fiscalização do TCE mostra que volume de obras paradas na região ainda preocupa

6 minutos de leitura
Compartilhe esta notícia!

ARNON GOMES – ARAÇATUBA

Novo levantamento divulgado pelo TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo) mostra que o volume financeiro, em obras públicas paradas ou atrasadas na região de Araçatuba, aumentou em quatro meses.
Se, há quatro meses, quando a corte passou a disponibilizar o mapa virtual com o levantamento de construções inacabadas no território paulista, o montante estava em R$ 335.942.735,57, em agosto, a soma já alcança R$ 338.903.485,83. O cálculo diz respeito ao total apurado em 25 das 43 cidades da região com obras por terminar.
Apesar de, em dinheiro, a paralisação ser considerada grande, 53,8% desse total diz respeito a apenas uma obra: a ampliação do canal de navegação da Usina Nova Avanhandava, em Buritama, avaliada em R$ 181.498.267,59. Em termos quantitativos, de acordo com o tribunal de contas, São Paulo possui mais de 1,5 mil obras iniciadas, porém, ainda não concluídas. Dentre elas, 73, ou 4,8% delas são na esfera regional.
O balanço mais recente divulgado pelo TCE contém dados atulizados até 30 de junho deste ano. A somatória diz respeito à soma dos contratos iniciais, que, em todo o Estado, alcança a marca de R$ 49.565.465.035,29. Em nível estadual, o órgão fiscalizador observou uma diminuição na paralisação quando comparado com o último levantamento. Na sondagem anterior, eram 1.677 obras inconclusas, totalizando R$ 49.644.569.322,13. A pequena redução é consequência da conclusão de 233 obras desde abril. E ainda: da retomada de 43 e 190 novos empreendimentos acrescentados nos dados, o que representa um total de 1.591 no Estado.
Das mais de 70 obras com contrato assinado, já iniciadas e não finalizadas, a maior parte está em dois dos maiores municípios da região: Birigui e Penápolis, com oito e sete, respectivamente. Curiosamente, ambas foram pioneiras na criação de leis municipais que impedem a entrega de obras públicas inacabadas. Dentre os serviços ainda não encerrados em Birigui, está a construção do Centro de Formação do Professor e Atendimento do Aluno, no Jardim Morumbi, iniciada em 19 de abril de 2010 e que tinha como prazo o dia 5 de agosto de 2014. No caso de Penápolis, a quantidade corresponde a obras nas áreas de educação, saúde, tratamento de esgoto e mobilidade urbana.
PAINEL
Segundo o TCE, o mapa virtual é uma ferramenta que permite ao cidadão verificar a relação de todas as obras que se encontram atrasadas e/ou paralisadas nos municípios e no Estado. O infosite ‘Painel de Obras Atrasadas ou Paralisadas’ dá a opção para o internauta ‘navegar’ por meio de um mapa do Estado, e localizar, de forma interativa, as obras que se encontram com problemas de execução contratual. O usuário pode, ainda, efetuar pesquisa utilizando campos específicos para determinar a localização da obra, sua classificação e situação em que se encontra, a origem dos recursos, bem como dados da contratante e os motivos da paralisação e/ou atraso.
O mapa ainda disponibiliza gráficos que apontam as principais fontes de recursos dos empreendimentos e a classificação das obras por áreas temáticas (Educação, Saúde, Habitação, Mobilidade Urbana, Abastecimento de água e tratamento de esgoto e melhoria dos equipamentos urbanos).

 


Compartilhe esta notícia!