NTERIOR - Cidade do Sul de Minas mistura desenvolvimento com vida rural e valoriza nomes que fizeram história

A região de mineiros que fizeram a diferença em Araçatuba

Compartilhe esta notícia!

ARNON GOMES – PASSOS (MG)

Das montanhas do sul de Minas Gerais, com seu tempo fresco e aroma de café, pão de queijo e outras saborosas iguarias da culinária local, em meio a localidades montanhosas e pessoas hospitaleiras, vêm histórias de personalidades e famílias que marcaram a história de Araçatuba em diferentes campos de atuação.

Boa parte destas mentes, em especial, começou suas trajetórias de vida na microrregião de Passos que, além da cidade de nome homônimo, abrange mais 13 municípios: Alpinópolis, Cássia, Itaú de Minas, Ibiraci, Capitólio, Pratápolis, São João Batista do Glória, São José da Barra, Delfinópolis, Capetinga, Claraval, Fortaleza de Minas e Bom Jesus da Penha.

PECUÁRIA

Da cidade de Passos, vem um dos maiores nomes da história da pecuária nacional e que administrava seus negócios em Araçatuba: Sebastião Ferreira Maia, ou simplesmente Tião Maia. Nascido em 1916, com seu jeitão caipira, conquistou empresários, entre outros nomes de influência em seu tempo, como o ex-presidente Juscelino Kubitscheck, com quem manteve muitos contatos. Em Araçatuba, no auge da pecuária, teve o frigorífico T-Maia, onde, atualmente, funciona o campus local da Unip (Universidade Paulista).

Sua atuação chegou a extrapolar os limites do Brasil. Teve grandes propriedades de terra nos Estados Unidos e na Austrália. Considerado por muitos “o maior fazendeiro do Brasil”, Tião Maia morreu em 2005, aos 89 anos, em São Paulo, após viver recluso pelo menos desde 1998 em virtude de aneurisma. Ao morrer, teria deixado um patrimônio de 170 mil cabeças de gado, além de empreendimentos rurais e imobiliários no exterior.

LITERATURA

Já no campo da Literatura, um dos maiores nomes do mundo das letras em Araçatuba manteve intenso contato com a cidade natal de Tião Carreio. Foi a escritora Lúcia Maria Piantino Milani, uma das precursoras da Academia Araçatubense de Letras.

Em 18 de fevereiro de 1974, então com 30 anos de idade, casou-se com o administrador de empresas José Márcio Piantino, nascido em Passos e com quem teve o único filho, Rodrigo Milani Piantino. Mas o casal se conheceu em Araçatuba. José Márcio veio para Araçatuba a fim de montar um curtume – estabelecimento onde se faz processamento de couro.

Em entrevista à TV Câmara, Professora Lúcia, como era conhecida, contou que o conheceu ocasionalmente. “Em cinco, seis meses depois de começarmos a namorar, nós nos casamos. Daí, ele passou a morar em Araçatuba”, disse ela na gravação. No vídeo, ela ressaltava que o marido administrava fazenda do pai na cidade mineira.

As marcas da família Piantino em Passos são notórias. Na cidade, um parque municipal de 6,259 hectares leva o nome de Emílio Piantino, na Rua New York. O local foi tombado pelo Conselho Municipal de Patrimônio Histórico Cultural.

Nascida em Campo Grande, Lúcia deu aulas em várias escolas públicas e particulares na região. Também jornalista, trabalhou em vários jornais e escrevia crônicas desde os 14 anos. Ainda na literatura, foi autora de livros de poesias, contos e do premiado romance “Boi Nu”.

Professora Lúcia faleceu em 10 de setembro de 2011.

PUBLICIDADE

A ligação deste que é um dos maiores municípios do sul mineiros com Araçatuba se faz presente na atualidade. Após deixar Passos, aos 19 anos de idade, para estudar, a publicitária Cintia Messias Brasileiro dos Santos passou cinco anos em Vitória (ES) e, depois, desembarcou em Araçatuba, onde está até hoje. Ela veio para a cidade do interior de São Paulo para estudar Publicidade e Propaganda no Unisalesiano (Centro Universitário Católico Salesiano), onde conseguira uma bolsa. Formou-se em 2009, trabalhou em diferentes agências e na área de marketing. Por aqui, casou e teve sua primeira filha, Carolina, que tem 2 anos de idade.

A exemplo de Lúcia Piantino, Cintia também atua no campo da literatura. Recentemente, passou a produzir conteúdo on-line com dicas de leitura, mensagens e “lives” nas quais falar sobre escritores e a importância de ler. Já publicou textos em diferentes coletâneas.

EDUCAÇÃO

O sul de Minas deu ainda para Araçatuba um dos seus maiores nomes na Educação. Em São João Batista do Glória, cidade de pouco mais de 8 mil habitantes, distante apenas 16,4 quilômetros de Passos, nasceu a educadora Zenir Nogueira Devides de Oliveira.

Dona Zenir, como era carinhosamente chamada, ajudou a fundar a primeira escola particular de Araçatuba, “O Pequeno Príncipe”, em 1972. Catorze anos depois, juntamente com o marido, ela fundou o Colégio Degrau. Inicialmente, esse colégio funcionou em uma casa alugada e, hoje, está instalado em sede própria, com ampla e moderna estrutura, na Avenida Waldiro Felizola de Moraes.

A educadora morreu em fevereiro deste ano. Ela deixou o marido, José Devides de Oliveira, os filhos Daniela, Renata e Gustavo, além de seis netos: Lucas, Henrique, Pedro, Mateus, Leonardo e Felipe.

 

 

História da região começa no século 17

 

A história da Região de Passos começa no século 17. Na ocasião, o território, ainda pouco explorado, denominado “Sertões de Jacuhy ou Cercanias de Jacui”. A busca pelo ouro levou a uma “corrida” de paulistas e mineiros para o local atrás de melhores condições de vida.

Historiadores locais dividem a trajetória do município em quatro fases. A primeira, de 1780 a 1830, corresponde à implantação de roças de subsistências, mas ainda sem um sistema administrativo. Em seguida, veio a definição de seu traçado urbano e de um sistema administrativo, público e religioso.

Em 1850, iniciou-se a fase de autonomia administrativa, tornando-se independente da Vila de Jacuí. Com a República, no final do século 19, passa a existir como município.

Durante os anos 60 do século passado, viveu um significativo progresso com a Usina de Furnas na região. De uma terra provinciana e rural, Passos se tornou um pólo comercial e industrial da região de mesmo nome.


Compartilhe esta notícia!

Veja também

Sepultado em Vicentinópolis o corpo da fisioterapeuta morta em acidente na Elyeser

Compartilhe esta notícia!DA REDAÇÃO – ARAÇATUBA O corpo da fisioterapeuta, Paloma Leite Malheiros, foi sepultado …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *