Advogado agredido com cabeçada por vereador vai fazer representação

Compartilhe esta notícia!

O advogado Milton Lima, o Barata, que foi agredido com uma cabeçada desferida pelo vereador Leandro Moreira (Republicanos), disse que vai entrar com uma representação tanto nas esferas cível e criminal, além de ir até a Câmara Municipal de Birigui, diante do ocorrido. Ele negou ter ofendido o parlamentar antes de receber o golpe.

Lima disse que estava na Câmara na última terça-feira (11) para pedir informações a respeito da votação da concessão de um espaço esportivo para o trabalho de uma associação social. Após ter se informado na recepção, o advogado se preparava para ir embora quando foi abordado pelo vereador.

As imagens de câmeras de segurança do local mostram o momento em que o vereador menciona algumas palavras e logo em seguida desfere a cabeçada no advogado. Na sequência, Lima cai e é socorrido por outras pessoas que ali estavam.

Algumas motivações surgiram em meio a toda polêmica. Uma delas, segundo o advogado, foi a de que ele teria a intenção de ser candidato a vereador, o que foi negado durante a entrevista. “Quero deixar claro que não tenho pretensão de ser candidato e não tenho afinidade política. Mesmo se tivesse, estaria exercendo o direito legítimo como qualquer brasileiro”, disse.

Mas, o real motivo da agressão teria sido a acusação de que Lima teria divulgado uma lista na qual o nome do vereador aparece supostamente como receptor de vantagens indevidas. Parte do inquérito vazou recentemente nas redes sociais em uma investigação da Polícia Civil de Araçatuba contra fraudes em contratos da saúde em Birigui.

“Eu gostaria de deixar claro que essa lista, mesmo estando nos autos, não comprova nenhum ilícito penal por parte dessa pessoa. É apenas um indício de uma investigação que está em andamento. Ele (vereador) imputa à minha pessoa a divulgação dessa lista. Se essa investigação tiver êxito, ela vai apontar os verdadeiros culpados”, afirmou.

OUTRO LADO

Em entrevista, o vereador Leandro Moreira afirmou que a agressão teria sido motivada por conta de ofensas proferidas pelo advogado. O parlamentar também reafirmou que Lima teria intenções de ser um futuro candidato no município e, por ser autor de um projeto de redução de cadeiras no Legislativo, a situação ficaria mais difícil.

“Ele tem pretensão de sair nas próximas eleições e ficaria mais difícil para conseguir se eleger. Já vem denegrindo a minha imagem e veio até a Câmara para me provocar. Nas imagens dá para ver que eu aponto o dedo e peço para que pare de ficar falando de minha pessoa em alguns lugares. Depois, ele me ofende moralmente. Eu sei que foi um erro, mas não tenho do que me arrepender do que foi feito”, concluiu.

APROVAÇÃO

Na sessão da última terça, os vereadores aprovaram a redução de 17 para 15 no número de parlamentares. Mesmo com a aprovação, a mudança será válida para as eleições de 2024, conforme explicações da presidência do Legislativo. Ou seja, na eleição deste ano, será preenchida a atual quantidade de vagas.

A diminuição passou em plenário quase uma semana após o Legislativo ter ficado com sua imagem maculada pela operação policial que apontou envolvimento de vereadores em denúncias de irregularidades em contratos área da saúde. Desde quando o parlamento aumentou de 11 para 17 sua quantidade de membros, há nove anos, tornando-se a maior casa legislativa da região, vários foram os projetos apresentados com o objetivo de diminuir o quadro, mas nunca recebia aval da maioria dos legisladores.

Desta vez, o texto tinha como autoria o vereador Leandro Moreira (Republicanos) e foi apresentado em abril de 2019, há quase um ano. Se, na primeira votação, a matéria recebeu dez votos contrários e seis favoráveis, na segunda, 14 vereadores se posicionaram a favor e apenas três, contra.


Compartilhe esta notícia!

Veja também

Homem é preso com entorpecentes em Ilha Solteira

Compartilhe esta notícia!Um homem de 27 anos foi preso na noite de sexta-feira (7) depois …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *