Home Cidades Moradores criticam escândalos e repudiam nova eleição para prefeito

Moradores criticam escândalos e repudiam nova eleição para prefeito

6 minutos de leitura
Compartilhe esta notícia!

O clima é de dúvida e incompreensão até o próximo dia seis de outubro. Após o Tribunal Regional Eleitoral do Estado de São Paulo publicar no Diário Oficial Eleitoral que General Salgado, município localizado na região de Araçatuba, teria que passar por nova eleição para a escolha de prefeito e vice, os moradores estão desacreditados. É uma corrida contra o tempo, afinal faltam apenas 44 dias para que os 8,1 mil eleitores aptos a votar participem da votação. Por conta disso, o cenário político já começa a ser desenhado na cidade.

 

A reportagem do jornal O LIBERAL REGIONAL esteve ontem (21) no município e conversou com três moradores. Todos criticaram a situação e disseram que se sentem envergonhados com o que aconteceu, após escândalos de corrupção, a cassação do então prefeito Leandro Rogério de Oliveira (PL) e do vice, Paulo César de Almeida. Se não bastasse todos os últimos acontecimentos, o assessor de Obras da antiga gestão foi preso pela Polícia Federal com base na mesma ação que Oliveira é réu. Segundo o Ministério Público Federal de Jales, Odair Maciel de Oliveira teria tentado coagir testemunhas no curso do processo.

 

“É um prejuízo para o município, porque a gente vem para a segunda eleição. Vai ser um mandato tampão, por isso vai ser um atraso para a cidade”, disse um morador à reportagem.

 

Atualmente, quem ocupa a cadeira do Poder Executivo é Adriano Eugênio Barbosa (Patriotas), que antes da cassação da chapa era o presidente da Câmara. Ele contou que tem a intenção de ser candidato à prefeitura na eleição marcada para outubro. Até o fim da semana, ele deve participar de reuniões em São Paulo a fim de tentar conseguir recursos financeiros ao município.

 

PRAZOS

 

A eleição suplementar será organizada pela 225ª Zona Eleitoral de Auriflama. O cartório eleitoral já notificou a Câmara referente aos prazos que os partidos têm para realizarem as convenções partidárias e a data limite para que as candidaturas sejam formalizadas.

 

“O primeiro prazo é para que os partidos realizem as convenções partidárias até o dia três de setembro. Depois, escolhidos os candidatos, eles deverão registrar suas candidaturas aqui no cartório eleitoral até às 19h, do dia seis de setembro”, informou o chefe de cartório Junei dos Reis Lulho.

 

No dia seis de outubro, 8,1 mil eleitores poderão votar. A cidade tem atualmente cerca de 10.669 segundo o último censo elaborado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). “O Tribunal Regional Eleitoral tem uma data de corte, até o mês de maio, para a regularização do título, justamente para se preparar. Quem estava com a situação regularizada até o dia nove de maio poderá votar na eleição de seis de outubro”, complementou o chefe de cartório.

 

Isso não significa que àqueles irregulares com a Justiça Eleitoral não possam votar nas eleições municipais de 2020, já que um novo prazo será dado até maio do ano que vem.


Compartilhe esta notícia!