18.9 C
Araçatuba
segunda-feira, maio 16, 2022

MUNICÍPIO VAI FAZER CONSULTA PÚBLICA SOBRE RESTAURAÇÃO DO CENTRO CULTURAL FERROVIÁRIO

A população de Araçatuba terá a oportunidade de opinar sobre a revitalização do único bem pertencente ao município tombado como patrimônio: o Centro Cultural Ferroviário, que está interditado há quase dez anos.
Na próxima terça-feira, dia 28, a Secretaria Municipal de Cultura e o Instituto Pedra, entidade sem fins lucrativos de São Paulo que atua no ramo da restauração, irão realizar uma consulta pública a partir das 17h30, na Câmara Municipal. A participação é aberta ao público.
De acordo com o gerente de projetos arquitetônicos do Instituto Pedra, Benjamim Saviani, a consulta tem pelo menos três objetivos. O primeiro deles é prestar contas à sociedade do que já foi feito desde abril de 2016, quando a Prefeitura e a entidade firmaram parceria para a elaboração de projeto cultural no centro, a antiga Oficina de Locomotivas de Araçatuba. E ainda: apresentar algumas possibilidades de recuperação e ouvir o que a população quer e pensa a respeito. As propostas serão registradas e analisadas pelas partes envolvidas no projeto.
O debate deve durar pelo menos três horas. A apresentação será feita pelo prefeito Dilador Borges (PSDB) e por Saviani, que mostrará ao público todo o levantamento arquitetônico do local. Já o público poderá apresentar suas sugestões aos secretários municipais Ernesto Tadeu Capella Consoni (Planejamento Urbano e Habitação) e Tieza Marques de Oliveira (Cultura) e ao diretor presidente do instituto, Luiz Fernando de Almeida. Segundo a Secretaria de Cultura, no início das manifestações, será estabelecida a forma de encaminhamento das sugestões.
“O levantamento iconográfico e outros estudos realizados recentemente pela equipe técnica do instituto indicarão os possíveis usos para esse espaço. É dessa reunião pública que se pretende colher as sugestões de utilização do espaço”, disse Tieza, em nota enviada pela assessoria de imprensa da Prefeitura.

RECURSOS
A recuperação do centro não terá investimento direto da administração municipal. O projeto será do Instituto Pedra e já foi aprovado pelo Proac (Programa de Ação Cultural) da Secretaria de Estado da Cultura, que utiliza dinheiro do governo paulista através do ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). Segundo o Instituto Pedra, a aprovação ocorreu em maio deste ano, no valor de R$ 499.487,24 para início da captação de verba.
Pela parceria, o instituto elabora o projeto e o realiza de forma efetiva, captando recursos de ICMS nas empresas. Conforme a Secretaria de Cultura, nessa primeira fase, o recurso utilizado foi captado pelo Instituto Pedra junto à Havan. Os patrocinadores poderão, depois, descontar o valor desse investimento do ICMS devido. O papel da Prefeitura de Araçatuba será oferecer toda a logística para a realização do projeto.

SONDAGEM FAZ PARTE DO PROGRAMA DE REVITALIZAÇÃO

Conforme o Instituto Pedra, a revitalização do centro se divide em três etapas: elaboração do projeto, pesquisa para definição de novos usos do espaço (onde entra a consulta de terça-feira) e plano de restauro e adaptação. Assim, diz a entidade, a ideia é apontar a evolução arquitetônica da construção ao longo do tempo, a fim de indentificar as melhores formas de intervenção no local. E ainda: contextualizar a importância da oficina na história da cidade e mostrar as suas necessidades nos campos de cultura, educação, lazer, turismo, entre outras áreas.

HISTÓRIA
Erguido na década de 1920, o prédio do Centro Cultural Ferroviário abrigava a oficina da NOB (Estrada de Ferro Noroeste do Brasil). Em 1992, o imóvel foi tombado como patrimônio histórico e cultural pelo município. O local vinha, então, sendo usado para feiras, atividades culturais e exposições. Até que, em 2009, a edificação foi interditada. Na ocasião, o Executivo constatou risco de desabamento. Três anos depois, o Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo) determinou o tombamento do conjunto, sendo, desde então, o único bem tombado por este órgão no município.
No meio cultural de Araçatuba, o entendimento é de que a recuperação do local deve ser urgente. Na época da interdição, laudo da Secretaria Municipal de Planejamento apontou que o Centro Cultural com estrutura de madeira, que sustenta o telhado, tomada por cupins. Nas paredes, inclinações devido ao afundamento do alicerce, além de infiltrações por causa do acúmulo de água em calhas. Ainda foram detectados problemas nas instalações elétricas.

ARNON GOMES
Araçatuba

Ultimas Noticias