Home Cidades Araçatuba Ministério Público não vê abuso em ações sociais de Cido Saraiva denunciadas por Dilador

Ministério Público não vê abuso em ações sociais de Cido Saraiva denunciadas por Dilador

4 minutos de leitura
Compartilhe esta notícia!

DA REDAÇÃO – ARAÇATUBA

No final de outubro a Coligação “Construindo juntos uma nova cidade”, do candidato a prefeito Dilador Borges Damasceno e da candidato a vice-prefeita Edna Flor, apresentou junto à Justiça Eleitoral, representação especial de Abuso do Poder Econômico ou Político, Propaganda Política, Propaganda Eleitoral, Redes Sociais, contra o candidato Cido Saraiva, da coligação “Araçatuba para fazer bem feito”, por suposto uso de seu trabalho social. O Ministério Público Eleitoral manifestou-se pela improcedência da representação. Ainda não houve julgamento
O advogado da coligação de Dilador Borges, na representação, cita as casas de apoio mantidas por Cido Saraiva em Jales e Barretos para apoio às pessoas que fazem tratamento contra o câncer e uma casa de fisioterapia em Araçatuba. O advogado cita na representação que os candidatos fizeram da campanha uma forma de promoção pessoal, frisando a captação de sufrágio por meio das casas de apoio Cido Saraiva.
Ao longo da representação, o advogado fala em abuso do poder econômico e abuso do poder político do candidato.
“Inicialmente, vale salientar que não assiste razão à alegada captação de sufrágio, pois o trabalho social questionado é realizado há muito tempo, ou seja, bem antes do período eleitoral”, cita o representante do Ministério Público Eleitoral, acrescentando que “Por mais que seja obvio que a intenção de criar esses projetos sociais foi a de angariar popularidade e cair nas graças da população, não é possível vinculá-la à obtenção de votos”.
De acordo com o posicionamento do representante do MPE, em nenhum momento observou-se captação de sufrágio.
“Em síntese, das provas coligidas aos autos, não é possível extrair quaisquer indícios de captação de sufrágio. Ante o exposto, o Ministério Público Eleitoral, representado pelo Promotor de Justiça infra-assinado, requer a improcedência da presente representação”.
A defesa da Cido Saraiva disse que as casas de apoio de Barretos e Jales atendem pessoas de várias regiões do Brasil e não especificamente de Araçatuba. Além disso, o trabalho é realizado há muitos anos.

 


Compartilhe esta notícia!