MODERNIZAR - Ferrovia precisa ser moderniza para voltar a operar de forma satisfatória

Esperança de investimento, futuro da ferrovia na região ainda é incerto

Compartilhe esta notícia!

ANTÔNIO CRISPIM – ARAÇATUBA

A centenária Estrada de Ferro Noroeste do Brasil, hoje Rumo Logística, responsável pelo surgimento de dezenas de cidades e o desenvolvimento de parte do interior paulista e de Mato Grosso (hoje Mato Grosso do Sul), está com futuro incerto. A atual concessionária vai investir R$ 6 bilhões, mas na Malha Paulista e protocolou junto à ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) o pedido de adesão a processo de relicitação. Ou seja, abriu mão da concessão que vencerá apenas em 2026. Sem interesse na Malha Oeste, a empresa vai apenas cumprir as obrigações contratuais enquanto o Ministério de Infraestrutura faz estudos para licitação de nova concessão. Mas isso não tem prazo.

Construída no início do século passado, a ferrovia ligava Bauru (São Paulo) a Corumbá (MS) interligando com a ferrovia boliviana, chegando a Santa Cruz de La Sierra. A linha-tronco tinha 1.622 quilômetros. Tinha ramais, como de Campo Grande a Ponta Porã e de Corumbá ao porto de Ladário. Em 1957, a NOB foi incorporada pela Rede Ferroviária Federal, que no processo de desestatização, passou a ferrovia para a Novoeste. Em 2006, foi fundida juntamente com a Brasil Ferrovias à América Latina Logística, que em 2015 se fundiu à Rumo Logística, pertencente à Cosan, passando a ser Rumo-ALL.

A falta de investimento na modernização da ferrovia a levou a perder competitividade no mercado. Aos poucos, a ferrovia foi perdendo a importância e hoje é apenas uma sombra do que foi no passado.

 

RETIRADA DOS TRILHOS

Dezenas de cidades -como Araçatuba e Andradina – nasceram a partir da ferrovia. Com o tempo, os trilhos ficaram no meio das cidades. O sonho de líderes políticos era a remoção dos trilhos. Araçatuba investiu milhões na realização deste sonho e conseguiu a esperada remoção. Já Andradina mudou apenas a estação. Outras cidades também conseguiram a retirada. Hoje passam poucas composições por semana e extenso trecho da ferrovia em Mato Grosso do Sul está inativo.

 

 

Líderes políticos aguardam investimentos para modernizar a ferrovia

 

Há muito tempo líderes políticos de São Paulo e Mato Grosso do Sul esperam a retomada dos investimentos no processo de modernização da Malha Oeste para que possa retomar a plenitude da operação. Hoje, grandes empresas instaladas em Três Lagoas, como as gigantes da celulose e outras do agronegócio, assim como usinas que produzem açúcar e etanol, pouco usam a ferrovia para escoar a produção. São clientes em potencial, mas como a malha está hoje é inviável economicamente.

Embora poucos admitam, o sonho dos líderes políticos era exatamente a retomada dos investimentos pela Rumo. No entanto, a decisão da empresa em devolver a concessão ao Governo Federal para concentrar investimentos e operações na Malha Paulista foi um banho de água fria na expectativa destes líderes políticos.

A Malha Oeste, que vai de Bauru a Corumbá, é muito importante até mesmo para o processo de integração do Mercosul e fortalecimento da Rota Bioceânica.

 

Concessionária vai investir em outras malhas

Em julho último, em nota enviada ao jornal O LIBERAL REGIONAL, a assessoria do Rumo confirmou que investimentos serão feitas em outras concessões.

“A Rumo informa que protocolou na última terça-feira (dia 21/07), junto à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), o pedido de relicitação da concessão da Malha Oeste. Trata-se de um processo amigável e amparado na Lei nº 13.448/2017 e no Decreto nº 9.957/2019. O plano de negócios da Companhia traz grandes desafios para os próximos anos, como os investimentos associados à recente aquisição da Ferrovia Norte Sul e a melhorias de acesso aos portos. A assinatura do aditivo de renovação antecipada da concessão da Malha Paulista, em maio, também se apresenta como um desafio importante no plano de negócios da Rumo. O novo contrato prevê investimentos substanciais tanto na linha-tronco quanto na reativação do ramal Bauru-Panorama, que se conectam ao Porto de Santos e atravessam região próxima ao trecho paulista da Malha Oeste. Com o pedido de relicitação da Malha Oeste, a Companhia abre caminho para que o poder concedente promova nova licitação, com um novo concessionário assumindo a malha, ou mesmo para que o formato dessa concessão possa ser remodelado pelo governo. Durante este processo, a concessionária assegura que continuará a prestar os serviços de transporte ferroviário de cargas, fazendo valer os contratos firmados com seus clientes”, conclui a nota.

 

 

Governo ainda não tem data para nova licitação

 

A reportagem buscou informações junto à ANTT. De acordo com a agência, o contrato de concessão com a Rumo termina apenas em 2016. “A solicitação de relicitação feita pela Malha Oeste já foi admitida pela ANTT e foi enviada para o Ministério de Infraestrutura -Minfra, para enquadramento no plano de políticas públicas”, diz a assessoria da ANTT, enfatizando que “o processo de relicitação foi encaminhado para o Minfra e ainda cumpre etapas. Neste momento, não há como falar de cronograma”.

De acordo com a ANTT, o volume de investimento será apontado pelos estudos do ministério, “caso seja aprovado todo processo de relicitação”. A assessoria foi clara. “No momento não há como falar em prazos”.

 

 


Compartilhe esta notícia!

Veja também

SP autua dez estabelecimentos em primeira noite de toque de restrição

Compartilhe esta notícia!DA REDAÇÃO – SÃO PAULO A Vigilância Sanitária do Estado de São Paulo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *