Bombeiros de Araçatuba chegam à Baixada Santista após tragédia

Compartilhe esta notícia!

DA REDAÇÃO – ARAÇATUBA

Bombeiros de Araçatuba vão Homens do 20° Grupamento dos Bombeiros de Araçatuba viajaram para o litoral paulista a fim de auxiliar outras equipes da corporação nos trabalhos de resgate de vítimas depois dos temporais que atingiram a Baixada Santista no início da semana. Os veículos deixaram a sede do Posto de Bombeiros do bairro Jussara na manhã dessa quarta-feira (4) e chegaram no fim do dia ao destino

Antes do embarque, os 21 homens se reuniram com o capitão Walter Cruz de Oliveira, comandante dos Bombeiros de Andradina e responsável pela operação de apoio. Foram repassados os detalhes de como seriam os trabalhos nos próximos dias, apesar das incertezas, já que ainda não se sabia o que poderia ser feito.

“Infelizmente, nesse tipo de ocorrência, que demanda um número maior de efetivo e que perdura por mais tempo, é solicitado o tipo de apoio específico para cada grupamento de bombeiro. Então, nós fomos convocados durante a noite e nos solicitaram alguns bombeiros com qualificações técnicas específicas e de material”, afirmou durante entrevista à reportagem.

EXPERIÊNCIAS

Os homens escalados para a missão possuem qualidades específicas, conforme explicação do oficial. Alguns têm experiência no Canil, outros em mergulhos, por exemplo. Com o maior número de pessoas reunidas, as equipes conseguem atender a uma ampla frente de trabalho.

“Nós temos especialistas na área de canil, salvamento terrestre, salvamento aquático e mergulho. Então, nós agregamos a maior quantidade possível de qualidade desses homens para que atendam as estratégias adotadas pelos comandantes de lá”, explicou.

ORAÇÃO

Antes da saída do quartel, os bombeiros fizeram uma roda humana e oraram. Muitos não sabem o que vão encontrar pela frente e quando voltarão para suas casas. Na bagagem, além de levarem enxadas e outros equipamentos para localização de corpos, eles levaram o sentimento de união para ajudar àqueles que mais precisam nesse momento.

“Provavelmente já foi instaurado o nosso sistema de comando de incidentes de emergência. Já existe uma ação específica empregada e, assim que chegarmos, seremos divididos em áreas diante do cenário que iremos encontrar”, finalizou o capitão.

TRAGÉDIA

O número de mortos pelas chuvas na Baixada Santista não para de subir. Até o fechamento dessa edição, 23 mortes já tinham sido confirmadas e outras 26 pessoas continuavam desaparecidas. Dois bombeiros morreram durante os trabalhos de resgate.
No Guarujá são 18 mortos e 20 desaparecidos; em Santos são três óbitos e cinco desaparecidos e em São Vicente, um óbito e dois desaparecidos. O número atual de desabrigados é de 118 no Guarujá, três em São Vicente e 150 em Santos. Há ainda 100 desalojados em Santos e 20, em São Vicente.
Na manhã dessa quarta-feira (4), o Instituto Médico Legal libertou 15 corpos, entre eles, os de dois irmãos de seis e três anos, o de um bebê de dez meses e o de uma menina de 11 anos. Há ainda um idoso de 60 anos. As idades das outras vítimas (quatro homens e seis mulheres) variam entre 25 a 43 anos.
O governador do estado de São Paulo, João Doria, disse, no Twitter, que o Centro de Gerenciamento de Emergências da Defesa Civil segue mobilizado e acompanhando as buscas por desaparecidos e as ações de prevenção a novos deslizamentos.

VOLUME DE CHUVA
Em um período de 24 horas, de acordo com dados do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), choveu 320 milímetros no Guarujá, o equivalente a 320 litros de água por metro quadrado.

O temporal começou na noite de segunda-feira (2) e se estendeu durante toda a madrugada e manhã de terça. Moradores registraram alagamentos, deslizamentos de terra e quedas de barreira nas rodovias Anchieta, Cônego Domênico Rangoni, Rio-Santos e Guarujá-Bertioga. (Com informações de Agência Brasil)

 

 

 


Compartilhe esta notícia!

Veja também

Maffeis acompanha primeira semana de volta às aulas na rede municipal

Compartilhe esta notícia!Após um ano das aulas presenciais serem suspensas devido à pandemia da covid-19, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *