Home Cidades Araçatuba Birigui terá R$ 1 milhão para transformar lixão em área de convívio familiar

Birigui terá R$ 1 milhão para transformar lixão em área de convívio familiar

5 minutos de leitura
Compartilhe esta notícia!

ARNON GOMES – BIRIGUI

Um local onde hoje é um “depósito de lixo”, isso nas próprias palavras do prefeito Cristiano Salmeirão (PTB), em breve, ganhará vida. Entre os bairros Cidade Jardim e Ivoninha, bem atrás do CEU das Artes, em Birigui, será construído um parque ecológico. Para isso, uma verba milionária foi conquistada pelo município na última semana.
A área de preservação natural do parque é de 248 mil metros quadrados, nas margens do córrego Biriguizinho. Para transformar um espaço onde, hoje, não raramente, as pessoas se habituaram a despejar resíduos e abandonar sofás velhos, em uma área voltada ao convívio familiar, o poder público local conseguiu R$ 1.039.000,00 do Estado.
Na quinta-feira passa, Salmeirão esteve no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo, onde participou da assinatura da liberação do recurso. A verba faz parte do FID (Fundo Estadual de Defesa dos Interesses Difusos), gerido pela Secretaria da Justiça e Cidadania. Só naquele dia, foram assinados financiamentos para 24 obras no Estado.
Com o parque, Salmeirão fala em proteger a fauna e a flora como principais objetivos. O projeto prevê a construção de alambrado em seu entorno, calçamento com material ecológico, praça esportiva, academia ao ar livre, quadra de futebol de areia e campo de futebol. Tudo isso, além de iluminação. Na parte ambiental, a investida prevê também o plantio de diversas árvores nativas. Com toda essa estrutura, para o prefeito, agora sim, o local poderá ser chamado “pulmão da cidade”. Diz ele: “O nosso objetivo é tornar aquela área um espaço onde possa haver convívio familiar”.
HOMENAGEM
Muito do que o parque terá foi ideia de uma pessoa muito especial para Salmeirão: o biólogo e professor Waldemar Salmeirão. Pai do prefeito, ele faleceu em 7 de setembro do ano passado, mas participou ativamente das discussões sobre como parque deveria ser constituído.
Em sua carreira, por mais de 30 anos, foi professor universitário em Adamantina na área de zoologia. Foi também supervisor de ensino e professor de biologia. Hoje, inclusive, destaca o prefeito, na faculdade onde seu pai lecionou, há um laboratório que leva o nome de Waldemar. “Então, posso dizer que obtivemos uma conquista brilhante, na qual promoveremos muitas ações importantes, como reflorestamento”, destacou.
Ao todo, o projeto prevê o plantio de 11,4 mil mudas de árvores nativas, em parceria com a AGA (Associação do Grupamento Ambientalista). “Na primeira etapa vamos iniciar pelo trecho entre as avenidas Vitória Régia e José Ravagnani, em 80 mil metros quadrados do parque”, completou o prefeito.

 


Compartilhe esta notícia!