15.1 C
Araçatuba
sábado, agosto 13, 2022

‘Ato de doar é transformador e nos coloca em uma situação de felicidade plena’

ARNON GOMES – Araçatuba

Você sabia que março é considerado, mundialmente, o mês da felicidade? O dia 20 do presente mês assim foi estabelecido pela ONU (Organização das Nações Unidas), em 2012, com o objetivo de promover a felicidade e a alegria entre os povos, evitando conflitos, guerras ou qualquer outro tipo de comportamento que ponha em risco a paz e o bem-estar da sociedade. A iniciativa partiu do pequeno país asiático de Butão, considerado um dos menos conflituosos do mundo. Passados sete anos dessa institucionalização, a data será celebrada na cidade, com uma palestra proferida pela advogada Daniela Devides, de Araçatuba, que atua no ramo da educação há 22 anos.
Estudiosa do tema em suas atividades como coaching educacional, ela procura responder uma série de questões que cercam o dia a dia das pessoas. O que é felicidade? Como ser feliz sempre? A felicidade é um estado ou um lugar ao qual as pessoas podem chegar? Existem habilidade que estimulam a felicidade? É possível alcançar um estado frequente de satisfação? Estes são alguns dos questionamento que ela procura debater. Além da palestras, em suas atividades, ela também ministra curso presencial sobre a felicidade.
Em entrevista ao jornal O LIBERAL REGIONAL, ela faz uma reflexão sobre o que é ser feliz na sociedade contemporânea, levando-se em conta o consumismo e o avanço das redes sociais.

Pode-se dizer que o avanço das redes sociais causou algum tipo de impacto no entendimento do que é felicidade para as pessoas?
Perseguir a Felicidade diretamente não é saudável. As redes sociais promovem uma falsa felicidade permanente, o que nos leva a entender que não existem momentos ruins. O que vemos na timeline são sorrisos, viagens e conquistas, o que, de certa maneira, causam grande frustração. Esse entendimento de ser feliz o tempo todo é o que gera a expectativa do irreal porque, na verdade, esta proposta é inalcançável. O relacionamento é premissa maior quando se trata de felicidade e é nesta questão que as redes sociais atrapalham. Não sou contra, mas considero o exagero perigoso. O certo é que mil amigos no Facebook não substituem um único melhor amigo, aquele BFF (Best Friend Forever). Precisamos do contato, do olho no olho, da presença real das pessoas que amamos e que têm significado para nós. O relacionamento está diretamente ligado à felicidade e a mesma é antecessora do sucesso em qualquer área de nossa vida. Esta afirmativa é tão verdadeira que podemos concluir que todas as pessoas felizes, de alguma forma, conquistam o sucesso, mas nem todas as pessoas de sucesso são felizes.

Quanto à sociedade de consumo, como analisa a questão?
É incrível como essa questão tem uma importância significativa em relação à felicidade. Vivemos em uma sociedade materialista, em que a felicidade passa a ser motivada através da conquista de um bem material (casa, carro, dinheiro…). Estudos realizados pelas universidades de Harvard e British Columbia demonstram que existe felicidade, sim, na conquista de bens materiais, mas eles são momentâneos. Uma das formas de conquistar a Felicidade duradoura é através de uma atitude mundialmente conhecida denominada: doação! O ato de doar é transformador e nos coloca em uma situação de felicidade plena.

Q ue estudos auxiliam o seu trabalho?
Eu sempre procurei estudos sobre felicidade. Inúmeras vezes estive à frente de sites de pesquisas, através de livros e pessoas para saber se existiam cursos que ensinavam a ser feliz. Sentia uma certa incapacidade em promover a minha realização pessoal, apesar de ter tudo que considerava necessário para ser feliz e, consequentemente, auxiliar os meus alunos a descobrir uma forma de realizar os seus sonhos. Foi assim que acabei sendo direcionada para o coaching e entrei em contato com a psicologia positiva. Todo o meu estudo tem o direcionamento a este propósito e envolve, além da psicologia positiva, considerada a “ciência da felicidade, a inteligência emocional e o positive coaching.

Como aplicá-los no ambiente profissional, sob o ponto de vista motivacional?
O foco da ciência da felicidade é gerar uma motivação intrínseca (de dentro para fora). Isso é o que realmente funciona e fica muito distante das palestras simplesmente motivacionais onde o efeito é efêmero. Felicidade não se resume a sentimento, é também aprendizado e inclui ainda procurar um propósito em qualquer área, seja na carreira, seja nos relacionamentos amorosos ou familiares, etc. A aplicação da psicologia positiva acontece através do desenvolvimento de habilidades que considero muito simples. São atitudes e comportamentos que muitas vezes praticamos inconscientemente. As pessoas sempre me perguntam se cursos e livros que ensinam a felicidade funcionam. Eu respondo que sim, desde que você esteja disposto a colocar em prática as lições aprendidas. O segredo está em ter o conhecimento, o comprometimento e as ações para colocar em prática quando houver a necessidade. Simples assim!

E também no educacional, setor de sua atuação?
No âmbito educacional, este trabalho tem gerado grandes resultados. Aprender a lidar com os desafios de uma vida tem o seu significado. Os pais, juntamente com a escola, têm grande responsabilidade na visão da criança em relação ao mundo. Minha sugestão é que devemos inserir no currículo escolar, além das aulas que compõem a grade curricular, como a matemática ou português, aulas que trabalham o emocional dos alunos, em que eles possam aprender e aplicar os conceitos de resiliência, de resolução de conflitos, de administração de tempo, de autoconhecimento.

SERVIÇO

A palestra “Como conquistar a felicidade” será realizada no dia 20 de março, “Dia Internacional da Felicidade”, a partir das 19h30, no Colégio Degrau, onde Daniela é diretora. A palestra é gratuita e as inscrições podem ser feitas pelo site http://www.colegiodegrau.com.br.
O endereço é Avenida Waldir Felizola de Moraes, 800 – Jardim Sumare, Araçatuba – SP

Ultimas Noticias