Ajudante geral é preso após agredir a mulher e o enteado com tábua de carnes

Um ajudante geral, de 49 anos de idade, foi preso na noite de terça-feira (7) depois de agredir a companheira, uma dona de casa de 32, e o filho dela, um adolescente de 14, utilizando uma tábua para cortar carnes. O crime ocorreu na residência das vítimas, localizada no bairro Umuarama, zona leste do município. 

De acordo com informações do boletim de ocorrência, os policiais militares faziam patrulhamento de rotina quando foram acionados pelo Copom (Central de Operações da Polícia Militar) para atender um desentendimento familiar. Minutos antes das equipes chegarem ao endereço, o autor pulou o muro da residência e fugiu. 

Em contato com os PMs, a vítima relatou que o suspeito estava embriagado e iniciaram uma discussão. Ele não teria a agredido, mas fez ameaças de morte contra ela e os filhos. A mulher relatou, também, que possuía uma medida protetiva contra o investigado, mas a decisão perdeu o valor depois que os dois reataram o relacionamento amoroso. 

A polícia realizou todas as orientações à declarante e deixou o endereço para continuar as diligências pela cidade, já que não havia mais o que ser feito por ali.  

VOLTOU 

Alguns minutos depois do primeiro chamado, a mesma equipe foi novamente solicitada ao endereço. Dessa vez, havia a informação de que pessoas estariam sendo agredidas. Com a chegada, o indiciado foi abordado e detido. Ele confirmou a discussão, mas negou qualquer agressão. 

Por outro lado, a dona de casa contou que depois da primeira ida do companheiro ao local, ele retornou e passou a agredir o enteado, de apenas 14 anos de idade, com uma tábua de madeira utilizada para cortar carnes. A mulher tentou cessar as agressões, mas também foi atingida pelo objeto. 

Mãe e filha apresentavam hematomas pelos braços. Os dois passaram por exame de corpo de delito no IML (Instituto Médico Legal), onde as lesões foram confirmadas. 

PRISÃO 

O autor foi levado até a Central de Flagrantes e novamente negou as acusações. A convivente dele decidiu representar criminalmente e requisitar uma nova medida protetiva.  

O delegado plantonista estipulou fiança no valor de dois mil reais, mas ele não pagou a quantia e permaneceu preso, à disposição da Justiça. A Polícia Civil abriu inquérito para dar prosseguimento às investigações do caso. O homem foi transferido na manhã dessa quarta-feira (8) para a cadeia pública de Penápolis, onde deverá aguardar decisão judicial.  

Veja também

Duas pessoas morrem em acidentes na região de Araçatuba

O fim de semana foi marcado por mortes em rodovia e vicinal da região de …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *