Home Cidades Câmara inicia ano instituindo “Cachorródromo” e campanha contra copos e canudos plásticos

Câmara inicia ano instituindo “Cachorródromo” e campanha contra copos e canudos plásticos

5 minutos de leitura
Compartilhe esta notícia!

DA REDAÇÃO TRÊS LAGOAS

Na primeira sessão ordinária do ano, realizada nessa semana na Câmara Municipal de Três Lagoas foram analisados nove matérias que estavam na pauta, sendo um veto e oito projetos de lei. O veto e mais três projetos foram encaminhados para análise das comissões, os demais itens foram aprovados, entre os quais, projeto que cria espaço para os cachorros.
O primeiro projeto de lei (PL) aprovado dispõe sobre a criação de setor ou guichê específico para recebimento de alvará judicial nas instituições financeiras do município. Na sequência, foi aprovado criando o programa “Cachorródromo – Espaço Público para Cães”. Também foram aprovados projetos instituindo a “Semana da Virada Animal” e a “Semana no esporte” no município.
Para incentivar o desuso de canudos e copos plásticos, foi aprovado o PL nº131 instituindo o “Selo Consciência Coletiva”. Os vereadores Apóstolo Ivanildo e Gilmar Garcia, usaram a justificativa de voto para falarem sobre o projeto. “Ele não proíbe, mas apenas incentiva os empresários para deixarem de usar canudos e copos plásticos”, explicou Apóstolo. “Essa é mais uma política importante, principalmente para a questão ambiental. Nós [vereadores] não podemos tudo, como proibir ou impor algo. Mas podemos propor políticas de conscientização”, enfatizou Gilmar.
Os requerimentos foram votados e aprovados em bloco.

TRIBUNA
Como de costume, diversos foram os assuntos tratados na tribuna pelos vereadores. Sargento Rodrigues, Tonhão, Realino e Celso Yamaguti, por exemplo, falaram sobre a UFN3. “Muitos comemoraram o anúncio da venda feito pela Petrobrás. Porém, como já vi tantas vezes estas tratativas que estou descrente. Espero que realmente agora ocorra e essa novela acabe. Não vou comemorar até que se concretize. E que esse seja o capítulo final, gerando emprego”, afirmou Sargento.
“Sobre a famigerada UFN3, recordo as expectativas que ela trouxe, em 2010, e a decepção quatro anos depois. Uma dívida de 37milhões apenas para empresários locais, pois são mais de 400 mi em dívidas”, relatou Tonhão, que também apresentou alguns dados: “o edital divulgado prevê que as empresas interessadas terão até março para acessar dados sigilosos da empresa para decidir sobre a compra. Assim, o processo pode demorar até 90 dias. Um prazo rápido para alguns, lento para outros”.
Tonhão falou sobre o Hospital Regional: “quero comemorar anúncio feito recentemente pelo governo afirmando possuir reserva para equipar o Hospital, garantindo funcionamento até o final de junho de 2020. São 400 empregos diretos, 20 indiretos, 10 municípios atendidos na região. Vamos desafogar o HNSA e o curso de medicina também vai se beneficiar”.
Renée Venâncio relatou sobre o desfecho do caso de racismo que sofreu no ano passado. “Um professor me chamou de ‘Capitão do mato’ e foi condenado. Essa foi a primeira condenação por racismo no estado do Mato Grosso do Sul. Não fiquei feliz, mas achei bom para demonstrar que pessoas que fazem racismo estão sujeitas a penalidade”, enfatizou.

 


Compartilhe esta notícia!