ARNON GOMES – GUAIÇARA

O prefeito em exercício de Guaiçara, Bruno Floriano de Oliveira (DEM), dará continuidade, até o final de 2020, ao trabalho iniciado há quase três meses. No domingo, ele ganhou, com ligeira margem de votos, a eleição suplementar ordenada pela Justiça Eleitoral. O democrata recebeu 4.057 votos, o equivalente a 88,91% do total.
Apesar de o município ter 8.348 eleitores aptos a votar, 5.552 pessoas foram às urnas – índice de 33,49% de abstenção. Votos brancos e nulos chegaram a 989. O segundo colocado foi Sérgio Aparecido da Silva, o Sérgio da Aliança (PSB), com 506 votos (11,09%).
O terceiro candidato, Antônio Paulino, mais conhecido como Tunico da Campo Belo (PSC), não teve sua votação divulgada em virtude de a sua candidatura ter sido impugnada. Segundo a Justiça Eleitoral, ele teve seu registro de candidatura indeferido por falta de documentação exigida. Embora regularmente diligenciado, o candidato deixou de apresentar certidão da Justiça Estadual de 2º grau, juntando apenas o requerimento da certidão a este órgão.
A diplomação do novo prefeito está marcada para 29 de novembro.
A nova eleição foi realizada porque o prefeito eleito em 2016, Osvaldo Afonso Costa,o Vadinho (DEM), teve o mandato cassado com base na Lei da Ficha Limpa. Durante seu mandato anterior como prefeito, Vadinho teve contas públicas rejeitadas por ato de improbidade administrativa.
Com a perda do mandato de seu correligionário, Bruno assumiu interinamente o Executivo em agosto por ser o presidente da Câmara. Ao lançar sua candidatura na nova eleição, ele saiu pela coligação “Compromisso com o Povo”, tendo como aliado apenas o PTB. Os petebistas indicaram a vice na chapa, Flávia Ramos Bittencourt Leão Cabral. Até agosto, ela era a vice-prefeita da cidade. Mas, com a cassação de Vadinho, o registro de candidatura dela na eleição de 2016 também foi invalidao. Para a Justiça Eleitoral, as chapas são “indivisíveis”. A candidatura de Flávia a vice mais uma vez foi possível porque, ao contrário de Vadinho, ele não foi declarada inelegível.
Assim que foi confirmada sua vitória, Bruno publicou mensagem de agradecimento nas redes sociais, em que diz: “Obrigado, Guaiçara! Obrigado pelos 4.057 votos de confiança para fazermos um bom trabalho por vocês! Bruno e Flávia! Compromisso com o Povo, Compromisso com Você!”
LEGISLAÇÃO
De acordo com a legislação eleitoral, eleições suplementares ocorrem quando há “decisão que importe o indeferimento do registro, a cassação do diploma ou a perda do mandato de candidato eleito em pleito majoritário”.
O eleitor que não pôde votar deverá justificar sua ausência até 26 de dezembro de 2019, por meio de requerimento formulado perante a zona eleitoral da cidade onde estiver.

 

Mostrar mais
Carregar mais em Cidades

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Secretaria desenvolve produto natural para auxiliar no combate a carrapatos

DA REDAÇÃO – SÃO PAULO Um produto natural com capacidade para combater os carrapatos…