INVESTIGADO - Prefeito Dilador Borges Damasceno está no centro das investigações

Polícia instaura inquérito: fraude em licitação da Prefeitura

Compartilhe esta notícia!

DA REDAÇÃO – ARAÇATUBA

Em atendimento a requerimento do Ministério Público Estadual, a Delegacia Seccional de Polícia de Araçatuba instaurou inquérito policial para apurar denúncia de fraude em licitação e falsidade ideológica, além de outros possíveis crimes. No corpo do inquérito consta o prefeito Dilador Borges Damasceno como investigado. A denúncia é de superfaturamento na compra de máscara tripla em maio do ano passado, em processo com dispensa de licitação. A vendedora é a empresa Nossa Senhora de Fátima (Vera Lúcia Rodrigues Camelo), de Divinópolis, Minas Gerais, constituída poucas semanas antes da venda à Prefeitura de Araçatuba.

A denúncia foi feita de forma anônima por um homem que procurou a Delegacia de Polícia Federal de Araçatuba. Na denúncia, ele citou possível superfaturamento na compra de máscara cirúrgica em um processo com dispensa de licitação. Neste processo, a Prefeitura comprou máscara cirúrgica tripla, luva de procedimento de látex e termômetro digital. Pelas 50 mil máscaras, a Prefeitura pagou R$ 135.680,00. O denunciante simulou uma compra e fez a mesma encomenda à empresa, do mesmo tipo de máscara (1.000 caixas com 50 unidades cada) e o orçamento apresentado foi de R$ 65.000,00. Ou seja, o valor pago pela Prefeitura é superior a 100% em relação à cotação feita pelo denunciante. Além disso, ele fez outras denúncias, como existência de “rachadinha” (devolução de parte do salário pelo funcionário) e chegou a citar nome de quem operava o sistema.

No entanto, como as denúncias não envolvem recursos da União, no início de novembro do ano passado a Delegacia da Polícia Federal encaminhou ao Ministério Público de São Paulo cópia da denúncia e alguns documentos já obtidos. Em seguida, o promotor requereu à Polícia Civil a instauração do inquérito, que foi efetivamente instalado no dia 26 de janeiro. O inquérito visa apurar fraude em licitação e falsidade ideológica.

Inicialmente foram solicitados documentos à Prefeitura e à empresa Nossa Senhora de Fátima. As pessoas envolvidas também deverão ser ouvidas no inquérito. A reportagem apurou que recentemente foi solicitado mais prazo para conclusão do inquérito.

 

A EMPRESA

A Empresa Cirúrgica Nossa Senhora de Fátima foi constituída no dia 6 de abril de 2020. Já no dia 5 de maio o setor de compras da Prefeitura emitiu o pedido de orçamento para vários fornecedores, pedindo resposta até 7 de maio. No dia 13 de maio a empresa enviou os documentos para dispensa de licitação. As notas de empenho foram emitidas no dia 15 de maio para posterior transferência bancária.

 

INQUÉRITO

Como a Polícia Civil pediu mais prazo para conclusão do inquérito, o trabalho poderá se estender até o fim de março, quando delegado responsável irá relatar e encaminhar ao Ministério Público. De acordo com o que for apurado no inquérito, o promotor tomará a decisão, podendo simplesmente arquivar, se não ficar caracterizado qualquer crime ou ajuizar ação, no caso de evidências criminais.

 

 


Compartilhe esta notícia!

Veja também

Eva Vilma morre de câncer, aos 87 anos, em SP

Compartilhe esta notícia!Aos 87 anos, morreu na noite desse sábado (15), em São Paulo, a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *