Home Cidades Araçatuba Ex-assessora de Dilador foi presa em Santos na operação Raio-X

Ex-assessora de Dilador foi presa em Santos na operação Raio-X

9 minutos de leitura
Compartilhe esta notícia!

DA REDAÇÃO – ARAÇATUBA

A ex-diretora do Departamento de Urgência e Emergência, Secretaria Municipal de Saúde de Araçatuba, Liége Tada Batagim dos Santos, foi presa em Santos na terça-feira na Operação Raio-X, dentro da investigação que apura desvio bilionário na área de saúde por meio de contratos de organizações sociais. Liége era diretora administrativa do Polo de Atenção Intensiva em Saúde Mental (PAI) da Baixada Santista, gerida pela OS Santa Casa de Pacaembu, um dos pivôs do escândalo, como a OS da Santa Casa de Birigui, ambas ligadas ao médico Cleudson Montali.

Liége Tada Batagim dos Santos foi nomeada pelo prefeito Dilador Borges Damasceno por meio do decreto 19.059, de 5 de janeiro de 2017, dois dias depois de nomear Carmen Guariente para a Secretaria da Saúde. Na época, dentro da secretaria, Liége era vista como pessoa muito próxima e de extrema confiança da secretária Carmen Guariente e do prefeito e do prefeito municipal. Chegavam a dizer que era o seu braço direito, ajudando na gestão da pasta de forma dura, com “mão de ferro”. Nas redes sociais, Carmem e Liége mostravam ser bastante próximas. As duas vieram da região de Pereira Barreto.

Nomeadas em janeiro, no fim de março as duas enfrentaram forte resistência por parte dos vereadores, que não aceitavam a forma como conduziam a pasta e tratavam os funcionários de carreira e até mesmo os vereadores. No dia 31 de março de 2017, chegaram a falar em pedir a cabeça de Carmem e Liége. Porém, ambas tinham muita força política e resistiram às cobranças dos vereadores.

O vereador Antônio Edwaldo Dunga Costa (Democratas), um dos maiores defensores da administração, foi um dos primeiros a fazer duras críticas à gestão de Carmen e Liége à frente da saúde. Na época, Dunga questionou muito os valores de alguns contratos.

A OPERAÇÃO

A Operação desenvolvida na terça-feira resultou na prisão de dezenas de pessoas em várias partes do país, inclusive de secretários estaduais e municipal, além de médicos e empresários. Foram apreendidos aviões, veículos de luxo e R$ 1,8 milhão em dinheiro.

A reportagem de O LIBERAL REGIONAL teve acesso às transcrições de telefonemas entre Liége e várias pessoas que estão presas. As conversas revelam que ela tinha influência dentro do grupo, mas que acabou mudando de organização por contra de divergências internas. O seu estilo de gerir. Em uma das conversas, ela diz que o doutor Cleudson não a prejudicaria, pois ela sabia muito.

“Em outra conversa com Igor, LIEGE reforça as fundadas suspeitas dizendo que tem conhecimento de toda a estrutura que ele rouba, sabe de detalhes, e por isso CLEUDSON não ousaria prejudicá-la”, diz trecho do relatório.

Em Araçatuba, Liége somou muitas antipatias. No portal da transparência o último mês em que aparece o seu nome é novembro de 2017.

Os relatórios indicam que meses depois ela ingressou na OS de Birigui, passando por diferentes por diferentes organizações, até chegar em Santos, em instituição de saúde gerida pela OS Santa Casa de Pacaembu.

 

 

Contrato foi assinado com a Prefeitura

de Araçatuba em abril de 2018

 

O contrato entre a Prefeitura de Araçatuba (prefeito Dilator) com a OS Santa Casa de Birigui, com dispensa de licitação, foi assinado no dia 9 de abril de 2018, com vigência entre 4 de maio de 2018 e 3 de maio de 2019, quando foi aditado para vigência até 8 de abril de 2020. Embora a OS continue prestando o serviço, no Portal da Transparência, no setor de contratos, não tem registro. Inicialmente o valor do contrato era de R$ 17.463.636,66.

Com os sucessivos aditamentos, até o momento a Prefeitura de Araçatuba, na administração Dilador Borges Damasceno, já pagou mais de R$ 36 milhões à OS Irmandade Santa Casa de Birigui,

De acordo com o portal da transparência o valor do contrato anterior era de R$ 48.483.872,31 por cinco anos, de 22 de abril de 2014 a 21 de abril de 2019. O contrato foi encerrado antes. Nos quatro anos em que prestou os serviços, a gestora anterior recebeu quase R$ 39 milhões. Em pouco mais de dois anos, a OS Santa Casa de Birigui recebeu R$ 36 milhões.

 

EXPLICAÇÕES

Já foi protocolado na Câmara um requerimento cobrando explicações da Prefeitura em relação ao contrato com a OS de Birigui, valores recebidos e aditamentos.

 

 

GESTÃO – Em pouco mais de dois anos de gestão do Pronto Socorro, OS de BIrigui recebeu R$ 36 milhões
ARQUIVO O LIBERAL

 


Compartilhe esta notícia!