Compartilhe esta notícia!

Renda de Aluguel com Fundos Imobiliários

PEDRO BARSALOBRE
Um dos produtos mais queridos pelos novos investidores de renda variável no Brasil são os fundos imobiliários. Com características de renda fixa e a semelhança ao investimento em imóveis, os fundos imobiliários registram no ano um crescimento de 57,2% na base de cotistas. O número, que correspondia a 12 mil contas em 2009, teve seu grande salto em 2019, quando mais que dobrou em relação ao ano anterior, para 645 mil. Com a queda da taxa de juros os fundos vêm ganhando espaço na carteira dos investidores.
Os principais são fundos de lajes corporativas, fundos de shoppings e os fundos de logística. Além desses existem fundos de papéis ligados ao segmento imobiliário, hospitais, escolas e universidades. Caso você quisesse comprar um imóvel por conta própria, gastaria no mínimo R$ 100 mil. Se também quiser diversificar para não concentrar todos os seus riscos em um único imóvel, teria de desembolsar mais ainda. Nos FIIs, você pode comprar uma cota de um fundo por R$ 100,00, em média (dependendo do fundo escolhido). Existem, inclusive, cotas de fundos que custam na faixa de R$ 2,00! Claro que existem opções um pouco mais caras, chegando a uns R$ 5 mil, mas é uma diferença gritante em relação a comprar um imóvel inteiro.
Quando você compra uma cota, adquire o direito de receber um aluguel proporcionalmente ao valor investido. Muitas pessoas compram imóveis para alugar e receber uma renda passiva. Mas será que pode mesmo ser considerada assim se você passa grande parte do tempo tendo que resolver os “pepinos”? Se o imóvel está vago, você precisa correr atrás de novos inquilinos ou pagar uma corretora imobiliária para isso. Se ele estiver ocupado, precisa se encarregar da cobrança do inquilino. Se houver algum problema com o imóvel, quem tem que resolver? Você mesmo. Além disso, para quem não trabalha na área imobiliária, toda a negociação e documentação necessária podem ser uma grande dor de cabeça. Nos FIIs, essas questões são de responsabilidade da administração e da gestão do fundo, que cobram um percentual das receitas geradas pelos imóveis. Ao final do mês, eles calculam todas as receitas recebidas, descontam as despesas e as taxas administrativas, e então distribuem para você ao menos 95% do lucro mensal. A grande vantagem é que os dividendos são distribuídos de forma isenta de imposto de renda para a pessoa física.
O fundo imobiliário é um investimento de renda variável, então não há nenhuma garantia sobre retornos. Não é possível afirmar com certeza que você receberá algum dia um bom retorno sobre seu investimento. Pode acontecer de você escolher um fundo com imóveis não muito interessantes que estejam ocupados naquele momento. Meses depois, os inquilinos saem dos imóveis e a gestão não consegue encontrar novos inquilinos para ocupá-lo. Com rendimento zero e um imóvel não tão bom, é bem provável que o valor da cota se desvalorize. Portanto, antes de comprar uma cota de um fundo, verifique os gestores e os ativos que compõem esses fundos. Diversifique e tenha uma renda extra com os dividendos dos fundos imobiliários!

Pedro Barsalobre é formado em Marketing e Pós-graduado em Administração de Empresas pela FGV. Possui certificação ANCORD de Agente Autônomo de Investimentos. Trabalhou por 10 anos em uma Instituição Financeira de grande porte e fundou a Arassá Investimentos em 2018 com mais dois sócios. Hoje é Assessor de Investimentos e Sócio Fundador na Arassá Investimentos, escritório credenciado à XP Investimentos.


Compartilhe esta notícia!