Compartilhe esta notícia!

DIEGO FERNANDES – ARAÇATUBA

O primeiro sábado dentro da chamada Semana Brasil 2020, evento criado pelo governo federal em parceria com entidades varejistas do país, registrou bom movimento no calçadão de Araçatuba. Ainda que boa parte do comércio de Araçatuba não tenha feito promoção específica para este período, que começou no dia 3 e vai até o dia 13 de setembro, o movimento das grandes lojas de rede, que participam da ação, turbinou o público do maior corredor comercial da cidade.

Por volta do meio-dia deste sábado, a nossa reportagem esteve no calçadão e constatou grande movimento e filas na maior parte dos estabelecimentos comerciais. As grandes lojas registravam filas de clientes também no entorno do local, como por exemplo na rua Duque de Caxias, onde algumas lojas participantes da semana apresentavam algumas promoções em eletrodomésticos e utensílios para o lar.

Este movimento refletia em lojas de pequeno e médio porte instaladas no calçadão e nas ruas adjacentes, que registravam bom movimento de clientes na hora do almoço. Os bares e restaurantes do entorno também aproveitaram para faturar, já que com mais movimento no local, mais consumidores acabaram se alimentando fora de casa.

De acordo com a Associação Comercial e Industrial de Araçatuba, a ação da Semana Brasil acaba atingindo os pequenos e médios comerciantes que não estão na ação, uma que com o maior movimento do setor comercial, mais pessoas ficam próximas ao comércio local.

“A maior parte das lojas de rede participa desta ação, há um acordo dos sindicatos nacionais, uma parceria entre eles, que faz com que as maiores sempre acabem entrando, e isso traz um aquecimento geral de vendas, porque a movimentação aumenta. A pessoa que está na área central da cidade acaba consumindo mais”, afirmou Wilson Marinho, presidente da ACIA, à reportagem por telefone.

Nos primeiros três dias da Semana Brasil em Araçatuba até o último sábado, a ACIA percebeu um aumento no movimento e crê que os resultados podem ser melhores que o esperado.

“Pela movimentação na cidade, tanto calçadão como nas outras ruas, já se percebe que houve um aumento nas vendas, isso acaba motivando o consumidor e o comerciante como um todo”, afirmou Marinho.

Aumento de até 5%

Normalmente, a expectativa gerada por uma semana como esta, com descontos em diversos tipos de produto, geraria uma expectativa até maior de vendas, mas devido ao período de pandemia, a Associação Comercial crê em até 5% de crescimento em relação ao mesmo período do ano passado, até o próximo final de semana.

“A gente acredita em um aumento de 4% a 5%. Teve o período de fechamento do comércio, há algumas semanas apenas que voltou a funcionar por 8 horas, então o movimento vai voltando aos poucos, mas acredito que chegue nos 5%”, concluiu Wilson Marinho, presidente da ACIA.

Semana Brasil

Esta já é a segunda edição deste evento comercial, que engloba lojas físicas e e-commerce. O nome deriva da época, já que se comemora nesta segunda-feira, dia 7, o aniversário da independência do Brasil. A ideia é seguir os passos da Black Friday, tão famosa nos países da América do Norte e que também já tem sua influência no comércio brasileiro.

A intenção é criar descontos com estímulo a lojistas, com o objetivo de aumentar as vendas em um período marcado pela baixa na demanda de produtos por ser um mês sem datas comerciais. Especialmente em 2020, a intenção é aquecer o comércio também pelo momento de contração econômica, derivado da pandemia de covid-19, que fechou lojas por muitas semanas em todo o país.

A semana de compras é promovida pelo governo federal e pelo IDV (Instituto para Desenvolvimento do Varejo). A iniciativa é suprapartidária, segundo o IDV, e trará benefícios para a economia do país.

Em 2019, a campanha contou com quase 3 mil lojistas, incluindo redes famosas como Magazine Luiza, Casas Bahia e Lojas Americanas. Segundo números da Ebit/Nielsen, as vendas no varejo presencial aumentaram 11% na primeira edição da semana, no ano passado, enquanto na internet as vendas cresceram mais de 40%.

Orientação

O Procon-SP orienta sobre compras realizadas até o próximo dia 13 de setembro. Segundo o órgão, é importante que o consumidor tenha cuidado ao escolher o produto, principalmente nas compras feitas pela internet, onde não há contato direto com o vendedor.

O órgão de defesa do consumidor alerta para o perigo de se clicar em links e ofertas recebidas por e-mail, whatsapp, ou outras redes sociais. É importante que a consulta seja feita nas páginas oficiais das lojas.

Para o caso do comércio presencial, é necessário que os produtos que estejam expostos tragam a informação do preço à vista. Se a venda puder ser feita a prazo, o preço total a prazo também deve constar, bem como as taxas de juros mensal e anual, além do valor e do número das parcelas.


Compartilhe esta notícia!