Home Cidades Araçatuba Queimadas causam interrupção de energia em dezenas de cidades

Queimadas causam interrupção de energia em dezenas de cidades

7 minutos de leitura
Compartilhe esta notícia!

DA REDAÇÃO – ARAÇATUBA

Além de todos os danos ambientais que as queimadas vêm causando por todo o país nos últimos meses, essa prática também tem trazido transtorno para o fornecimento de energia em diversos municípios atendidos pela CPFL Paulista. Um levantamento feito pelo Centro de Operações da distribuidora mostra que em 64% das cidades da sua área de atuação (151) tiveram interrupções causadas por queimadas. Os registros chegam a 948 casos entre os meses de junho e agosto de 2020.

Na região de Araçatuba e São José do Rio Preto, foram contabilizadas 112 interrupções no fornecimento de energia causadas por queimadas, cerca de 9 por semana. Das 49 cidades atendidas pela companhia, 23 tiveram clientes afetados pelos efeitos das queimadas na rede de transmissão e distribuição de energia.

“É importante a conscientização da população e dos produtores agrícolas, pois os incêndios sob a rede de distribuição de energia são, muitas vezes, causados pelo uso do fogo como método de poda de algumas plantações. O impacto das queimadas é maior ainda quando acontecem sob as linhas de transmissão, responsáveis pelo abastecimento de regiões inteiras”, alerta Rodrigo de Vasconcelos Bianchi, gerente de Operações de Campo, da CPFL Paulista.

Entre os 10 municípios com mais interrupções na região entre junho e agosto, São José do Rio Preto registrou 34 ocorrências, ficando em primeiro lugar. Araçatuba ocupa a segunda posição com 19 casos e Penápolis é o terceiro da lista com 8 registros.

 

Transtornos à população

Quando uma queimada é realizada sem a autorização dos órgãos ambientais competentes e de forma irresponsável, o fogo muitas vezes sai do controle e atinge áreas habitadas, de preservação e redes de transmissão e distribuição de energia. Nesses casos, o fornecimento fica prejudicado, causando transtornos aos clientes da CPFL Paulista.

Nessas situações, o trabalho das equipes de manutenção da companhia fica dificultado por conta do fogo, que precisa ser combatido pelos bombeiros para que os trabalhos possam ser iniciados. Dependendo da queimada, esse combate às chamas pode levar horas, elevando ainda mais o tempo que a população fica sem energia e os eletricistas sem poder reparar a rede por motivos de segurança.

A CPFL Paulista sempre age rapidamente realizando manobras em sua rede de distribuição, de forma a deixar a menor quantidade possível de unidades consumidoras afetadas. No entanto, quando as queimadas afetam áreas rurais, por exemplo, centenas de metros de rede precisam ser reconstruídos, com a substituição de postes, cabos e outros equipamentos danificados pelo fogo. Um trabalho complexo, que demanda acesso a lugares e terrenos não convencionais, maquinário pesado e colaboradores atuando em mais turnos para que a conclusão aconteça o quanto antes.

Por isso, a companhia realiza, por meio da campanha Guardião da Vida, a conscientização dos perigos de se realizar queimadas sem autorização ou de forma irresponsável, sem os devidos cuidados de segurança, principalmente em relação à rede elétrica. Também é importante que sempre que uma queimada for avistada, o Corpo de Bombeiros seja acionado para que sejam tomadas as providências de combate ao fogo o mais rápido possível.

Guardião da Vida. Considerando o impacto do assunto para a população, seja na segurança, seja na qualidade do fornecimento de energia, o grupo CPFL Energia, por meio da campanha Guardião da Vida, incentiva a discussão sobre o tema, a fim de promover uma reflexão sobre as atitudes que poderiam ser evitadas, reduzindo transtornos e até salvando vidas.

Na estiagem, a pouca umidade, a vegetação baixa e os ventos fortes são fatores que podem provocar incêndios. Além disso, até mesmo uma queimada mal controlada para atividades agrícolas também pode colocar em risco o fornecimento de energia, atingindo os cabos elétricos, desligando a rede e provocando prejuízos para os todos, além de danos ao meio ambiente e à segurança da população.

 


Compartilhe esta notícia!