Compartilhe esta notícia!

DIEGO FERNANDES – ARAÇATUBA

Aposentados, assalariados que tiveram redução de ganhos e empresários de todos os tipos. Estes foram os grupos de pessoas que mais procuraram os serviços de crédito nos últimos meses, com o agravamento da crise econômica provocado pela pandemia.

Segundo dados do Centro de Estudos em Microfinanças e inclusão Financeira da Fundação Getúlio Vargas, a pandemia deve elevar a demanda de micro e pequenas empresas por crédito para R$ 472 bilhões de reais em 2020, valor que é 75% superior aos R$ 270 bilhões concedidos em 2019.

A estimativa tem como base a receita destas empresas por setor e a queda média de faturamento nos últimos meses em mais de 17 milhões de empresas brasileiras.

Em Araçatuba, a grande necessidade do empresariado nos últimos meses foi pelo cobiçado capital de giro, dinheiro pelo qual os proprietários mantém o funcionamento de seus negócios e o pagamento das despesas. Com alguns deles muitos meses fechados, a solução foi apelas para os empréstimos.

De acordo com o gerente comercial da Via Certa Financiadora de Araçatuba, Gabriel Andriotti, em todos os setores a procura por crédito por parte dos empresários aumentou. “Empresários que precisam de capital de giro ou que precisam levantar um crédito pra se desafogar neste momento também houve uma grande procura. Desde a MEI, até ME, LTDA, todos os tipos procuraram”, afirmou Andriotti. Ele, porém, não soube informar em números o exato aumento desta procura.

Pessoas físicas também aumentam procura por crédito

O gerente da financiadora, porém, afirma que não foram só os proprietários que buscaram empréstimo. Nos primeiros seis meses de funcionamento da empresa em Araçatuba, pessoas que tiveram redução de jornada de trabalho e perda salarial mesmo com a compensação do governo, além de aposentados, também procuraram empréstimos.

“A gente teve uma grande procura dos assalariados, que tiveram sua redução de jornada, tiveram sua renda reduzida, aumentou bastante essa procura. Tivemos também uma grande procura de aposentados também, porque temos vários benefícios que o governo acabou liberando, com a primeira parcela pra daqui 90 dias, suspensão de descontos da aposentaria, então houve uma demanda boa também”, informou, sendo que neste caso, Andriotti afirma que estes dois grupos representaram 50% dos negócios feitos até aqui durante a pandemia.

Mais procurados

Os modelos de empréstimo mais buscados por empresários foram os de CDC – Crédito Direto ao Consumidor. Neste modelo, a empresa abre um crediário para que o cliente pague o produto ou serviço a prazo, enquanto ela recebe à vista da financiadora, trazendo mais segurança à transação. “O varejista, prestador de serviço cadastra o estabelecimento e com isso há o financiamento para o cliente em até 24 vezes e a financiadora paga à vista para o lojista, se responsabilizando pelo risco de inadimplência”, explicou o gerente.

Já o modelo mais procurado por pessoas físicas foi o empréstimo em cima do limite do cartão de crédito. Neste caso, a negociação acontece de modo simples e garante o dinheiro rápido para o contratante. “O empréstimo neste caso é pago pela pessoa em 12 parcelas diretamente na fatura do próprio cartão, e por não ter análise, é muito mais fácil, porque mesmo que a pessoa tenha o nome sujo ela consegue fazer e ainda tem o dinheiro que ela precisa de forma urgente no máximo em 15 ou 20 minutos”, ressaltou Gabriel Andriotti.


Compartilhe esta notícia!