Compartilhe esta notícia!

DA REDAÇÃO – ARAÇATUBA

A campanha DoAção Solidária recebeu doações de alimentos de duas empresas de Araçatuba para serem repassados a pessoas que perderam o emprego durante a pandemia de Covid-19. Uma delas foi a Auto Mecânica Yamase, que entregou 30 cestas básicas. Outra empresa doou cerca de 100 quilos de alimentos.

Os produtos coletados são separados em kits, para serem entregues a quem comprovar, por meio da carteira de trabalho, que perdeu o emprego depois do dia 11 de março, quando a OMS (Organização Mundial de Saúde) decretou a situação de pandemia. Existe a possibilidade de o prazo da campanha ser estendido.

A ação começou neste mês e vai até o dia 31 outubro. O contato inicial das pessoas interessadas em receber os kits deve ser feito pelo telefone da Clube FM, (18) 2103 5050. Na rádio informa os detalhes para o cadastramento, assim como a forma e as datas das entregas.

Idealizada pelos clubes de antigomobilismo (movimento de pessoas interessadas por carros antigos, a sua preservação, manutenção e restauração) Koca Kombi Clube e Antigos S/A., o movimento conta com a parceria fundamental do SRC (Sistema Regional de Comunicação), por meio do engajamento das emissoras de rádio e do jornal O Liberal Regional na operacionalização das ações.

Outro importante apoiador institucional do projeto é o Rotary Club Araçatuba Leste. De acordo com os grupos antigomobilistas, ainda há espaço para a inclusão de mais parceiros.

 

Pontos de arrecadação

Na DoAção Solidária pontos de arrecadação de alimentos e de produtos de higiene pessoal estão instalados em cerca de 30 locais de Araçatuba, como mercados, farmácias, padarias e lojas de conveniência: Auto Mecânica Yamase, Casa Diniz, Drogamax 3, Posto Rotatória, Rede de Farmácias Princesa, Supermercados Rosa Felipe, Vita Coco.

Em todo mundo organizações responsáveis pela distribuição gratuita de alimentos a pessoas necessitadas afirmam que a crise provocada pelo novo coronavírus tem gerado uma demanda sem precedentes em vários países. Embora não haja números precisos sobre a insegurança alimentar por conta da pandemia, dados divulgados recentemente pela FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura) revelam que a fome voltou a aumentar no Brasil. De acordo com a entidade, 37,5 milhões de pessoas viviam uma situação de insegurança alimentar moderada no país no período entre 2014 e 2016. Entre 2017-2019, porém, esse número chegou a 43,1 milhões. Em termos percentuais, o número também subiu, de 18,3% para 20,6%. Com a Covid-19, a situação deve ficar ainda pior.

 


Compartilhe esta notícia!