Compartilhe esta notícia!

ANTÔNIO CRISPIM – ARAÇATUBA

O araçatubense Edwaldo Costa, tenente da Marinha e pós-doutorado em jornalismo, tem participado de várias missões oficiais, como no acolhimento a venezuelanos em Roraima, inauguração da Base do Brasil na Antártida e mais recentemente participou de ações sociais na Ilha de Marajó e em Roraima, ação para combate à covid-19. Nestas duas últimas missões, o tenente Edwaldo Costa encontrou com pessoas da região. Na primeira, à Ilha de Marajó, esteve com o fotógrafo William Meira, que é de Guararapes e hoje atua no Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Na segunda missão, em terras indígenas, encontrou a médica Camila Ribeiro Perucchi (de Fernandópolis) e com a técnica em enfermagem Juliana dos Anjos Salvador (Lins), ambas da FAB.

Segundo o tenente Edwaldo Costa, na primeira missão, denominada Pão da Vida/Abrace o Marajó, encontrou com o fotógrafo William Meira. A iniciativa partiu do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) e contou com o apoio do Ministério da Defesa, já que nas localidades só é possível chegar com embarcações. Durante a missão foram entregues mais de 15 mil cestas básicas para pessoas que vivem isoladas no maior arquipélago flúvio-marítimo do mundo, a Ilha de Marajó. Para o oficial da Marinha, foi muito gratificante encontrar alguém da região em área tão distante, como a Ilha de Marajó.

De acordo com o oficial da Marinha, durante os cinco dias, de 30 junho a 04 julho, nas aldeias Yanomami e Raposa Serra do Sol foram realizados 3.858 atendimentos médicos entre a população indígena nas especialidades de pediatria, ginecologia, clínica geral e infectologia. Também foram entregues cerca de 4 mil toneladas de insumos, entre equipamentso de proteção individual (epis), testes para covid-19, álcool 70%, e medicamentos. As comunidades atendidas foram Auaris, Waikás, Surucucu, Maturuca, Ticoça e Flexal que, juntas, possuem mais de 9,5 mil indígenas. “A missão Yanomami, reforçu o combate à covid-19 em populações indígenas do estado de Roraima. A ação foi uma parceria do Ministério da Defesa, Ministério da Saúde e da Fundação Nacional do Índio (Funai)”, acrescentou Edwaldo Costa,

 

ARAÇATUBA

a8 Edwaldo

O Araçatubense Edwaldo Costa, 38 anos, é jornalista da Marinha do Brasil. Atualmente serve em Brasília e têm realizado coberturas  das operações no exterior(reinauguração da Estação Antártica Comandante Ferraz ) e no Brasil. “Em janeiro tive a felicidade de mostrar ao mundo a nova estação de pesquisa da Marinha e dos brasileiros no hemisfério sul. E,  Recentemente estive no Norte do país cobrindo ações dos militares no combate à Covid-19 e distribuição de alimentos as populações isoladas da Ilha do Marajó-PA e indígenas das terras Yanomami e Raposa Serra do Sol-RR. Este trabalho em prol da população brasileira sempre foi feito, mas muitas vezes não é divulgado. Cabe, principalmente, a nós comunicadores da Força Naval divulgar esta prestação de serviço ao povo brasileiro”.

 

LINS

a8 Juliana

Juliana dia Anjos Salvador é de Lins e atualmente mora em São Paulo – Capital. “Cursei o ensino fundamental e médio em escola pública. Sou formada em Educação Física, Técnico em Enfermagem e Enfermagem pelo Salesiano de Lins. Sempre tive o sonho de servir as Forças Armadas, consegui ingressar na Força Aérea Brasileira (FAB) em 2018. Sirvo no Hospital de Força Aérea de São Paulo. “Minha última missão foi bem marcante:  atendi na Floresta Amazônica indígenas brasileiros Yanomami e Waikás, entre outros que só conhecia nós livros de história. É gratificante cuidar do nosso povo”.

 

FERNANDÓPOLIS

A8 Camila

Camila Ribeiro Perucchi, nascida em Fernandópolis, graduada em Medicina pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). “Ingressei na Força Aérea Brasileira em 2016 e fiz residência médica em Clínica Médica no Hospital de Força Aérea de São Paulo – Hfasp. Em junho de 2020, fui voluntária para a Missão Yanomami/ Raposa Serra do Sol – Operação Covid19, a qual além de poder promover saúde para os indígenas, através dos atendimentos e testes rápidos; eu pude conhecer um pouco mais sobre a cultura deles. Com certeza foi uma oportunidade de aprendizado e também de crescimento pessoal. Acredito que essas ações humanitárias promovidas pelas Forças Armadas são importantes não só para aqueles que recebem o nosso cuidado, mas também para toda a equipe. Atendê-los e cuidá-los foi uma grande experiência.”

 

GUARARAPES

A8 William

William Meira é de Guararapes, morando em Brasília/DF desde 2003. Iniciou sua jornada na fotografia trabalhando com fotografia esportiva. Migrou para  fotojornalismo em meados de 2018. Classifica como suas maiores experiências a cobertura da tragédia de Brumadinho/MG e o Projeto Abrace o Marajó “Operação Pão da Vida”, onde o Governo Federal distribuiu cestas básicas às comunidades ribeirinhas no Arquipélago do Marajó.


Compartilhe esta notícia!