Compartilhe esta notícia!

DIEGO FERNANDES – ARAÇATUBA

A Coopbanc, Cooperativa de Consumo dos Bancários de Araçatuba, constatou um aumento de vendas de 14% no balanço de seu primeiro semestre em relação ao mesmo período do ano passado. Por conta da pandemia, lojas presentes dentro do mercado tiveram que ser fechadas, mas não houve demissões, já que os funcionários foram realocados para suprir a demanda do mercado, que além de aumentar a clientela, ainda teve de se adaptar às novas regras de higienização, abrindo setores que até então não existiam e aumentando outros como o de limpeza, por exemplo.

De acordo com o diretor presidente da Coopbanc, José Geraldo Fogolin, houve contratação de alguns funcionários para suprir, por exemplo, a demanda de limpeza e para atuar em substituição a outros colaboradores que, em algum momento, tiveram que ser afastados por estarem com sintomas da covid-19. “Tivemos que contratar 4 pessoas, porque dentro das nossas regras aqui de saúde, qualquer funcionário que apresentava qualquer sintoma, mesmo inicial, ou uma tosse mais aguda, ou uma febre, a ordem que nós demos aqui no RH é ‘afasta e deixa o funcionário em casa’. Se ele perceber que não foi nada volta, se persistir ele vai rapidamente para o médico. Volta e meia temos dois ou três funcionários em casa ao invés de estarem trabalhando”, explicou Fogolin em entrevista por telefone à reportagem do jornal O LIBERAL REGIONAL e da Clube FM 96,3.

O dirigente do supermercado afirmou que, desde o início da pandemia, apenas um caso positivo de covid-19 foi confirmado entre colaboradores. “Tivemos aqui somente um caso positivo, por precaução o pessoal do setor dele que teve algum contato, mandamos fazer exames no laboratório, deu negativo, então não tivemos mais esse problema”, contou.

Fogolin disse que todas as normas preconizadas pelo Ministério da Saúde e impostas por decretos estadual e federal foram cumpridas à risca para manter a segurança de clientes e colaboradores. “Nós fizemos higienização de carrinhos, medição de temperatura das pessoas que entram, pessoas para controle do número de clientes que estão dentro da loja, tudo para atender tudo que está na legislação. Espalhamos por vários setores o álcool em gel para higienizar a cooperativa. Colocamos as faixas para distanciamento, tudo que a legislação determinou nós fizemos”, contou.

Aumento nas vendas e funcionários realocados

Mesmo com a pandemia e a diminuição do poder aquisitivo de muitas pessoas, o supermercado conseguiu aumentar em 14% o seu índice de vendas nos primeiro 6 meses do ano em comparação ao mesmo período de 2019, segundo a direção.

Isso ocorreu mesmo com o fechamento de alguns setores durante a quarentena, como lojas de confecção e lanchonetes. “Na área do mercado, de mercadorias, açougue, feirinha, vendeu-se mais do que no mesmo período do ano passado. Na nossa avaliação aqui girou em torno de 14% a mais. Agora, perdemos venda nas áreas que estão fechadas, como na área de tecidos, confecções, presentes e perfuraria, nesse caso permaneceu fechado”, disse Fogolin.

José Geraldo Fogolin conta que, mesmo com o fechamento de alguns setores, o aumento de funções no mercado para higienização e o aumento nas vendas fez com que trabalhadores dos setores fechados fossem realocados para outros serviços. “Como nós tivemos a parte de confecção fechada, nós realocamos o pessoal para a área interna, onde aumentou o número de pessoas para o serviço de caixa, de pacote, para higienização, para controle de entrada. Não tivemos grandes problemas”, afirmou o diretor presidente da Coopbanc.


Compartilhe esta notícia!