Compartilhe esta notícia!

DA REDAÇÃO – BIRIGUI

O momento econômico que o Brasil passa, por conta da pandemia, é muito delicado. Por conta disto, desta situação inusitada, muitos buscam entender esse processo todo, procurando soluções para este problema. Por isso, dentro do polo calçadista de Birigui, dez empresas estão escrevendo uma nova história. Uniram-se em torno de um projeto como forma de buscar soluções, principalmente na área comercial.

Por isso, o Sinbi apresentou uma proposta de inteligência de mercado a fim de se desenvolver uma trilha de formação em gestão comercial no mercado externo, criando uma marca única de comércio, onde essas empresas serão capacitadas a entender e preparar seus produtos para o mercado a ser definido.

Esse programa está totalmente alinhado com o propósito do Sinbi que é “Elevar a união e competitividade de nossas empresas”. Unir empresas e criar uma marca coletiva do calçado produzido em Birigui tem gerado um grande movimento dentro das atividades desenvolvidas pelo SINBI, já que está sendo dedicado parte do nosso tempo para que este programa de ajuda mútua aconteça, e isto está sendo desenvolvido juntamente com o renomado consultor, Sr. Mauricio Manfré, além de demais parceiros que estão contribuindo para o seu êxito.

A ideia macro do programa é permitir com que as empresas que nunca exportaram unam suas forças produtivas, preparando-se para atender demandas internacionais, utilizando-se de uma Identidade Comum (marca setorial e comercial). Essa identidade será produzida durante uma oficina a ser realizada nas próximas semanas pelo Sebrae-Araçatuba, Sinbi e empresários envolvidos neste programa.

Com a criação desta marca e da respectiva logomarca, de acordo com a Consultoria do Sebrae-Araçatuba, “a oficina irá extrair o propósito do grupo (alma) e a agência irá expressar esse propósito através do desenvolvimento das peças de marketing (corpo). Desta forma, o grupo definirá a identidade da marca, sentindo-se totalmente comprometidos com ela, desde sua criação, ter o pertencimento da mesma”.

Segundo o consultor Mauricio Manfré, o objetivo “é criar experiências e mostrar às empresas que exportar é possível e que pode trazer grandes benefícios para a saúde financeira da empresa, quebrando paradigmas e preconceitos, dando apoio, direcionamento e incentivando as empresas nesta ação comercial que será realizada para ganhar novos mercados.”

“Esse programa é pioneiro em todos os polos calçadistas do Brasil, razão pela qual acreditamos no seu sucesso, porque juntos somos mais fortes”, afirma Renato Ramires, presidente do Sinbi.


Compartilhe esta notícia!