Compartilhe esta notícia!

ANTÔNIO CRISPIM – ARAÇATUBA

Um lago existente na altura do quilômetro 56 da Rodovia Elyeser Montenegro Magalhães no lado esquerdo para quem segue de Araçatuba sentido Rio Tietê vai desaparecer nos próximos meses. Uma empresa familiar especializada na exploração de argila para abastecer olarias do município, obteve licença para exploração. A ação, que causa impacto ambiental, já começa a despertar muitas reclamações. Não se sabe por quanto tempo a empresa vai explorar a argila no local.

No passado o município de Araçatuba teve vários pontos de exploração de argila e pedras. Essas atividades não eram tão fiscalizadas e não havia tanta restrição. Com a diminuição dessas olarias, os pontos de retirada de material foram deixados e a natureza se encarregou de recuperar. Foram formados vários lagos, que acabaram sendo incorporados ao meio ambiente e passaram a receber muitos animais, fazendo parte do habitat. Embora não sejam naturais, estes lagos têm grande importância na natureza e a drenagem causa sério impacto e traz problemas.

A Mineradora Potência, que existe há vários anos, é uma empresa familiar que obteve licença junto à Companhia Ambiental do Estado de São Paulo e à Agencia Nacional de Mineração, órgão responsável pela fiscalização da atividade em todo o país. A reportagem apurou que a Mineradora Potência já atuou em vários outros lagos na região na exploração de argila. No entanto, o trabalho foi realizado em áreas mais remotas, longe da vista da população. Agora a situação é diferente. Iniciou o processo para drenagem de um lago à margem de uma rodovia de intenso movimento e muito frequentado por pescadores. A reação foi imediata.

Pelo menos dois reclamantes admitiram que o lago não é natural e resultado da ação do homem. No entanto, afirmaram que a natureza incorporou e muitos animais dependem do lago. “Já foram  vistos jacarés e até um lobo guará nas imediações”, disse um reclamante, lamentando o que está acontecendo.

Um dos donos da mineradora, Ademilson Alves, disse que a água do lago será drenada para outro lago na mesma propriedade. Antes de iniciar a drenagem, será feito trabalho de remoção de peixes. Ao final da exploração da argila, o lago, segundo ele, vai recuperar-se naturalmente. Ele disse que o trabalho é acompanhado por biólogo e geólogo. Além disso, disse que a argila abastece olaria onde atuam muitas famílias.

 

IMPACTO AMBIENTAL

O lago foi formado há muitos anos e hoje é muito frequentado para pesca. Além disso, há informações de de que muitos animais foram soltos nas imediações. A drenagem vai comprometer este equilíbrio e até mesmo retirar a fonte de água e alimentos para determinadas espécies do local. Pessoas que passam com frequência pelo local disseram que é muito comum ver animais no local. Estes animais vão sofrer o impacto.

 


Compartilhe esta notícia!