Compartilhe esta notícia!

DA REDAÇÃO – BIRIGUI

A Prefeitura de Birigui e a Diretoria Regional de Saúde (DRS) de Araçatuba uniram forças para colocar em prática um projeto do grupo Noroeste com Vida, que prevê a implantação uma central de acolhimento técnico para pacientes sintomáticos e assintomáticos da covid-19.
A meta é diminuir o fluxo de pessoas nas unidades de saúde dos 40 municípios que serão atendidos, além de criar estratégias de isolamento vertical, rastreio do vírus e bloqueios locais.
A Prefeitura de Birigui abraçou a ideia, que dá continuidade aos trabalhos de seu Praebi (Plano de Retomada das Atividades Econômicas de Birigui).
O projeto piloto da central será em Birigui, no Centro Médico Hospitalar, com estrutura para um atendimento não presencial.
A estratégia do plano de trabalho consiste em ampliar o acesso da região aos serviços de saúde, sendo a implantação gradativa, já que outros municípios poderão ser atendidos em breve.
“Vamos atender por um número 0800 e pelas redes sociais, entre elas o WhatsApp, bastante utilizado pelas pessoas hoje em dia. Vamos orientar e tirar dúvidas. Caso necessário, faremos o encaminhamento para as unidades corretas de atendimento físico”, explicou o presidente da Agenda 2030 da ONU em Birigui, Eliel Robson Lemes Ribeiro, da Secretaria de Saúde de Birigui.
Na manhã desta terça-feira (23), parte dos envolvidos no projeto piloto estiveram na DRS de Araçatuba, onde assinaram a ata de formalização para a implantação da central de acolhimento técnico.
Eliel representou a Prefeitura de Birigui e foi recebido pelo auditor da DRS Araçatuba, Armando Salineiro Junior, e pela equipe formada por Sérgio Smolentizov, Marta Evelyn Story e Janaina Vilas Boas. Integram o grupo de trabalho Maria Alessandra Hansen e Daniela Catalan.
“Quando o empresário Valdir Mestriner (do grupo Noroeste com Vida) apresentou o projeto, observei a oportunidade de integrar o poder público, a iniciativa privada e o terceiro setor, além dos órgãos de saúde”, disse Eliel.
Os envolvidos acreditam que a central possa causar impactos sociais positivos de acesso, acolhimento, monitoramento e intercomunicação com a população através de mídias digitais, chatbot, e telefone, impactando diretamente na qualidade de serviços voltados ao acolhimento do paciente.
O prefeito de Birigui, Cristiano Salmeirão, e a secretária de Saúde de Birigui, Marian Nakad, elogiaram o projeto e se colocaram a disposição para promover uma interlocução com o Estado.
“Parabéns aos envolvidos neste belo projeto. A Prefeitura de Birigui oferece o espaço físico e dará apoio nos trabalhos”, falou o prefeito Cristiano Salmeirão.
O projeto será desenvolvido em três fases: implantação da central de acolhimento, ampliação de testagem e uso da metodologia contact tracing.
“Com esse projeto poderemos monitorar a taxa de ocupação dos leitos SUS disponíveis para pacientes com covid-19, avaliar o consumo dos leitos da rede assistencial e a média de permanência dos usuários para auxiliar nas medidas de apoio às gestões no enfrentamento da doença”, completou Eliel Robson.

 


Compartilhe esta notícia!