Compartilhe esta notícia!

UM PACTO DE GOVERNABILIDADE OU UM NAUFRÁGIO SEM SOBREVIVENTES

Evandro Everson dos Santos

Humanos, somos gregários. Assim, após realizações de vários estudos e pesquisas científicas concluiu a Antropologia e a Sociologia. Porém, equivoca-se quem acredita que essa condição é da natureza humana. Ela decorreu em razão da necessidade de nossa sobrevivência. Vivendo em situações inóspitas e sem os atributos físicos naturais o homem se viu forçado a se juntar aos seus pares a fim de obter melhores condições de vida. Evoluímos, amainamos nossos instintos primitivos, refinamos a nossa capacidade cognitiva e no decorrer do tempo, ainda temos que fazer as nossas escolhas. E nem sempre essa ação é realizada por vontade própria ou altruísmo, e sim, pela preservação da vida.
Fiz essa longa digressão como preâmbulo, em razão dos tempos angustiantes que vivemos. Além das crises políticas e econômicas já existentes, devido ás sucessivas tomadas de decisões equivocadas por governos anteriores, o surgimento do novo coronavirus agravou mais ainda a situação do País. O vírus impôs um autoisolamento da sociedade, destruiu os poucos empregos formais que restavam e a autoestima da população. Estamos no meio de uma tempestade perfeita, formada por esse conjunto de crises (econômica, social e sanitária) a bordo de um transatlântico, chamado Brasil. Em estado de catatonia, assistimos o seu naufrágio sem ao menos um sinal de salvamento por quem deveria fazê-lo.
Reformas, projetos sugestões e debates em torno de políticas publicas que aponte uma direção segura, deu lugar á uma polarização insana e ataques ao Estado Democrático de Direito, fragilizando a tão incipiente democracia brasileira. É assustador que em plena tríade de crise, há atores que deliberadamente alimentam o extremismo político, cizânias, fake news, com o único objetivo de desmoralizar e testar os limites institucionais dos Três Poderes. Confrontos entre o Congresso, Executivo e o Judiciário, inevitavelmente, levará o Pais ao caos. Vimos recentemente, no último dia 13, disparos de fogos de artifício contra o STF, realizados por extremistas, com o objetivo único de intimidar os ministros da corte.
Ensandecidos, esses extremistas ignoram que o Poder Judiciário em um Estado de Direito, tem a prerrogativa da última palavra sobre a Constituição, principalmente, quando a harmonia entre os poderes se distancia da paz institucional. Chega de divisão política (quem não concorda com o governo é comunista, socialista, etc). É chegada a hora de unir todas as tendências políticas, ideológicas e econômicas para salvar o nosso País. Precisamos de um líder que tenha a capacidade de agregar os diferentes atores (governamentais e não governamentais) para restabelecer a paz social. Ainda há muitas incertezas, como: qual é o tamanho da depressão econômica? E, quando descobriremos a vacina para o novo coronavirus? Urge um pacto de governabilidade. Urge líderes que reúna todos os partidos políticos em um consenso; que harmonize os Três Poderes; que reúna diferentes representantes da sociedade para garantir a democracia e evitar a volta do autoritarismo. Por fim, acionar o nosso instinto de sobrevivência é preciso ou o naufrágio é iminente.

Evandro Everson dos Santos é policial militar aposentado e economista


Compartilhe esta notícia!