Compartilhe esta notícia!

DA REDAÇÃO – araçatuba

Segunda causa de cegueira no mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o glaucoma afeta cerca de 900 mil pessoas no Brasil. Trata-se de uma doença grave, cuja perda irreversível do campo visual somente é percebida em estado avançado, quando pode já haver comprometido entre 40% e 50% da visão. Por se tratar de uma enfermidade grave, e geralmente assintomática no seu início, que leva à perda progressiva da visão, a consulta de rotina ao oftalmologista é crucial para o diagnóstico precoce e o início imediato do tratamento. Pensando nisso, a causa mobiliza profissionais e instituições de saúde na campanha Maio Verde, que tem seu dia D, o Dia Nacional de Combate ao Glaucoma, em 26 de maio.

O glaucoma é uma doença crônica, silenciosa e que não tem cura, mas que na maioria das vezes pode ser controlada com tratamento adequado. De acordo com The Glaucoma Foundation, no mínimo 90% dos casos não levariam à cegueira se fossem diagnosticados e tratados de forma apropriada. Infelizmente, menos de 50% das pessoas com glaucoma são diagnosticadas, pois a doença na maioria dos casos não apresenta sintomas. O Dia Nacional de Combate ao Glaucoma foi criado justamente para alertar as pessoas sobre a doença e da importância do diagnóstico precoce. Segundo a OMS, 80 milhões de pessoas devem ter glaucoma no mundo até 2020, o que reforça a campanha de prevenção.

 

Fatores de risco

Para a oftalmologista Ana Carolina Capelanes, do Hospital do Olho de Araçatuba (SP), é imprescindível conscientizar a população da importância da detecção do glaucoma ainda no estágio inicial. “A alteração da pressão intraocular é um dos indicativos de que pode haver algo errado no olho, e é também um dos principais exames para detecção do glaucoma”, comenta.

Ana Carolina explica que fatores de risco são histórico familiar, pressão intraocular elevada, idade acima de 50 anos, diabetes, uso prolongado de corticoides, presença de lesões oculares, entre outros. Só o diagnóstico precoce pode controlar o glaucoma e evitar a cegueira. “O tratamento, na maioria das vezes, é clínico, com uso diário de colírios para controle da pressão intraocular”, ressalta.

A Sociedade Brasileira de Oftalmologia recomenda consultas anuais a todos que já têm 40 anos ou mais. A oftalmologista completa que, por ter um caráter hereditário, quem tem histórico familiar deve consultar um oftalmologista com mais frequência. “Quando detectado em exames, pode ser controlado. É importante compreender que apesar de ser mais comum após os 40 anos, pessoas jovens e até crianças podem apresentar glaucoma. Traumas, problemas congênitos e etnia são fatores de risco para o problema. As pessoas devem visitar o oftalmologista pelo menos uma vez ao ano para fazer exames de rotina, assim muitas doenças poderiam ser evitadas”, conclui Ana Carolina.

Um estudo internacional encomendado pela Carl Zeiss Vision em parceria com o instituto inglês YouGov revela que 89% da população brasileira faria exames oftalmológicos com mais frequência, se sentissem necessidade médica. Contudo, o problema é justamente a necessidade, já que a doença só se manifesta quando está em estágio avançado.

 

Entenda o glaucoma

O glaucoma é uma doença ocular causada principalmente pela elevação da pressão intraocular que provoca lesões no nervo ótico e, como consequência, comprometimento visual. Existem diferentes formas de glaucoma, com diversas origens o mais comum é o simples ou glaucoma de ângulo aberto, que representa mais ou menos 80% dos casos.

Hipertensos e portadores de diabetes fazem parte do grupo de risco. A hereditariedade também é determinante, pois cerca de 6% das pessoas com glaucoma já tiveram outro caso na família. Trata-se de uma doença assintomática no início. A perda visual só ocorre em fases mais avançadas e compromete primeiro a visão periférica. Depois, o campo visual vai estreitando progressivamente até transformar-se em visão tubular. Sem tratamento, o paciente fica cego.

O diagnóstico é feito exclusivamente por um oftalmologista que irá medir a pressão intraocular com um tonômetro e as alterações no nervo ótico, perceptíveis no exame de fundo de olho. Outros fatores podem ajudar a confirmar o diagnóstico.

 

Danos e tratamento

A pessoa pode ficar cega em horas ou dias em crises de glaucoma agudo. Nesses casos, o olho pode ficar vermelho e a visão embaçada com a pressão intraocular muito elevada. Já o glaucoma crônico simples, pode levar anos para que se perca a visão, mas isso vai variar de acordo com a rapidez da evolução da pressão e do quão lesionado foi o nervo óptico.

O tratamento clínico inicial é feito com colírios que baixam a pressão intraocular. Existem drogas por via oral que são usadas em casos emergenciais. A terapia com laser é indicada quando o tratamento com colírio não é capaz de conter os níveis elevados de pressão. O procedimento cirúrgico também vem oferecendo resultados satisfatórios, inclusive com implantes de microdispositivos no olho.


Compartilhe esta notícia!