Home Cidades Araçatuba Ex-secretário de Dilador entra na mira da #tudonosso da Polícia Federal

Ex-secretário de Dilador entra na mira da #tudonosso da Polícia Federal

6 minutos de leitura
Compartilhe esta notícia!

DA REDAÇÃO – ARAÇATUBA

Conversas pelo aplicativo Whatsapp e informações encontradas em perícias realizadas em telefones celulares e HDs de computadores apreendidos pela Polícia Federal durante a Operação #Tudo Nosso, deflagrada em 13 de agosto de 2019 para desmantelar esquema de corrupção na Prefeitura de Araçatuba colocam o contador Josué Cardoso de Lima, ex-secretário de Fazenda da administração do prefeito Dilador Borges (PSDB) e da vice-prefeita Edna Flor (Cidadania), na mira das investigações que indicam desfalques financeiros nos cofres do município.

O mesmo acontece com Maria Cristina Domingues, que até a data da operação ocupava o cargo de secretária de Assistência Social do município, por indicação da vice-prefeita Edna Flor. As apurações indicam que ela tinha ligações diretas com pessoas também investigadas pela PF e que eram “comandadas” pelo empresário e sindicalista José Avelino Pereira, popularmente conhecido como Chinelo, apontado como líder de um esquema criminoso que rendia, por mês, cerca de R$ 120 mil decorrentes da gestão de contratos firmados com o município que, até a deflagração da operação, superavam os R$ 15 milhões.

A reportagem do O Liberal Regional obteve com exclusividade, nos últimos dias, informações sobre andamento das apurações decorrentes da #Tudo Nosso e da inclusão do “ex-homem forte” do governo “Dilaflor”, apelido dado por marqueteiros ainda na campanha eleitoral de 2016 à dupla eleita para governar a cidade, nas apurações. Assim como sobre a situação de Maria Cristina, que deixou o cargo que ocupava na noite de 13 de agosto do ano passado, após a operação ser colocada em prática.

No caso de Josué Cardoso de Lima, ele foi o responsável por cuidar das finanças da campanha eleitoral de Dilador e Edna Flor em 2016; atuou na equipe de transição de governo após a vitória da dupla nas urnas; e do início da atual administração até o dia 6 de agosto de 2019, curiosamente uma semana antes da deflagração da operação da Polícia Federal, era quem guardava as “chaves dos cofres” da Prefeitura.

Josué Cardoso de Lima e Maria Cristina Domingues correm o risco de serem indiciados junto a outras 14 pessoas – de um total de 15 que foram presas pela Polícia Federal quando a # Tudo Nosso foi executada e posteriormente soltas a mando da Justiça – por possível participação no esquema que desviava recursos de contratos da Prefeitura de Araçatuba com a empresa SEN Prestação de Serviços de Limpeza e o IVVH (Instituto de Valorização à Vida Humana), contratado para fazer a gestão de programas na área de assistência social do município.

O fato de os dois terem se tornado alvo das investigações nos últimos meses pode complicar as coisas para o prefeito Dilador Borges e a vice-prefeita Edna Flor, uma vez que os dois são apontados, em inquérito executado pela Polícia Federal e que está com seu relatório em fase de finalização. Por ter o chamado foro privilegiado, o chefe do Executivo, em caso de investigação, deve ter uma eventual participação no caso apurada pelo TRF3 (Tribunal Regional Federal da Terceira Região).


Compartilhe esta notícia!