Home Cidades Araçatuba Voos comerciais são paralisados em Araçatuba

Voos comerciais são paralisados em Araçatuba

8 minutos de leitura
Compartilhe esta notícia!

DIEGO FERNANDES – ARAÇATUBA

Depois da VoePass Linhas Aéreas, as outras duas empresas aéreas que atuam em Araçatuba, Gol e Azul, anunciaram a paralisação de suas atividades no Aeroporto Dario Guarita. Segundo comunicados divulgados pela Assessoria de Imprensa das companhias, o motivo é a pandemia do novo coronavírus. As companhias aéreas ligavam diariamente a cidade com Campinas, Guarulhos e São Paulo, de onde passageiros tinham opções de conexão com o mundo todo. Com isso, a cidade ficará temporariamente sem voos comerciais.

Gol ficará com apenas 50 voos em todo o país

A Gol Linhas Aéreas, que estava operando com 1 voo diário para o Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, no período da manhã, além de um outro voo no sentido inverso no período da noite, informou em nota que irá suspender as operações na cidade de amanhã até o dia 3 de maio, como forma de readequar a sua malha doméstica. A justificativa utilizada na nota foi a crise de saúde pública vivida em razão da pandemia do novo coronavírus que atingiu todo o mundo.

A empresa vai manter uma malha aérea de apenas 50 voos diários neste período, ligando os estados brasileiros, para garantir conecção a todas as capitais do Brasil em até 24 horas. A Gol já havia anunciado na última semana a suspensão dos seus voos internacionais.

Na edição do último domingo, o jornal O LIBERAL REGIONAL já havia publicado que a empresa fez uma redução de 35% na jornada de trabalho de funcionários internos e aeroviários, reduzindo também os vencimentos destes profissionais na mesma proporção. Houve ainda uma redução de 40% nos salários de diretores, vice-presidentes e CEO da empresa. Os cortes serão válidos até o mês de junho. O pagamento da PLR, o Programa de Participação nos Lucros, foi adiado para agosto.

Azul teve pouca demanda na última semana

Já a Azul Linhas Aéreas, que mantinha 3 voos diários para o Aeroporto de Viracopos, em Campinas, além de 3 voos no sentido inverso, também comunicou que já paralisou suas operações em Araçatuba. O período sem voos deve durar até o dia 30 de abril, podendo mudar a data de acordo com possíveis novos acontecimentos e anúncios do Governo.

A nossa reportagem apurou que, após o crescimento de casos de coronavírus no Brasil, a empresa teve uma queda drástica de adesão às viagens e um grande aumento no cancelamento de passagens. Um funcionário da empresa revelou que houve um voo da última semana que levou apenas seis passageiros, sendo que a aeronave utilizada para as viagens é um turboélice ATR 72-600, que tem capacidade para até 70 pessoas. Havia inclusive o planejamento de atuar em Araçatuba com aeronaves à jato, plano este que foi adiado por conta da crise na saúde pública.

Segundo a empresa, estão sendo mantidos 70 voos diários para 25 cidades neste período, quantidade considerada essencial para o atual cenário. A Azul informou que está utilizando seus canais digitais para contactar clientes que foram prejudicados por esta alteração.

VoePass foi a primeira a anunciar paralisação

Já a VoePass Linhas Aéreas suspendeu as suas atividades em todo o Brasil no início desta semana, conforme divulgamos na edição do jornal O LIBERAL REGIONAL do último domingo, dia 22. Em Araçatuba, a empresa mantinha dois voos diários, um para o Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, e outros para o Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, além de manter o um voo no sentido contrário para as duas rotas.

Em comunicado distribuído a imprensa na última semana, a empresa aérea afirma que a demanda na compra de passagens durante a última semana foi próxima de zero, enquanto os cancelamentos cresceram substancialmente.

Por conta disso, a empresa propôs a funcionários e colaboradores uma licença remunerada com o pagamento de apenas 20% do salário a título de abono.

Já os funcionários que terão de permanecer em atividade na empresa, como diretores e gerentes, terão redução na carga horária e no salário, incluindo aqueles que fizerem home office.

A nota ainda cita que a empresa está em período de “hibernação”.


Compartilhe esta notícia!