Home Cidades Araçatuba Paralisação com efeito dominó

Paralisação com efeito dominó

12 minutos de leitura
Compartilhe esta notícia!

ARNON GOMES – Araçatuba

O avanço do coronavírus já provoca um efeito dominó de paralisações em boa parte dos serviços públicos da região. Eventos, o trabalho nas empresas e aulas, tanto na rede pública como na privada, foram comprometidos.
De acordo com boletim sobre a situação da doença em Araçatuba, divulgado ontem, no fim da tarde, a cidade registra oito casos suspeitos, mas nenhum confirmado. Do total suspeito, sete aguardam resultados de exames e um já foi descartado. O balanço mostra ainda que, dentro do número apurado, quatro são pessoas que viajaram recentemente, enquanto a outra metade teve contato com pessoas que poderiam estar infectadas. Em todos eles, os sintomas foram detectados entre 28 de fevereiro e a primeira quinzena deste mês.
Diante desse cenário, a Prefeitura publica nesta terça-feira decreto que regulamenta uma série de ações preventivas ao Covid-19, como é chamada a doença. Conforme o documento, secretários e chefes de gabinete estão autorizados a tomar providências imediatas que ajudem na segurança dos servidores e dos munícipe.
O texto formaliza a suspensão das aulas nas escolas municipais, conforme já havia sido anunciado na sexta-feira passada. A medida deverá ser adotada de forma gradual até o dia 23, próxima segunda-feira. Também ficam suspensas as férias dos servidores da Secretaria de Saúde e das entidades prestadoras de serviço na área.
Ainda no decreto, o prefeito Dilador Borges (PSDB) suspende a emissão de alvarás para eventos que tenham aglomeração de pessoas. Também estão suspensas as audiências públicas do Orçamento Participativo e as atividades da Estação Cidadania, como também as atividades do Secoi (Serviço de Convivência Infantojuvenil); CRM (Centro de Referência da Mulher); CCI (Centro de Convivência do Idoso); Sítio Escola; atividades coletivas dos Cras (Centro de Referência de Assistência Social) e órgãos vinculados à Secretaria Municipal de Assistência Social.
Por fim, segundo o decreto, atividades esportivas, culturais e recreativas com aglomeração de pessoas promovidos por qualquer órgão municipal ou evento considerado propício ao contágio pelo Covid-19 estão suspensas.

CRECHES
Apesar da determinação, a Prefeitura informou que, por enquanto, as creches permanecerão abertas. A exceção à regra levou em consideração pais e responsáveis que não têm onde deixar seus filhos.
Para isso, a Secretaria de Educação estabeleceu uma série de medidas, dentre as quais a criação de comissão a fim de verificar as condições de higienização das creches em funcionamento, além de verificar diariamente se as crianças apresentam algum sintoma de gripe. Caso seja verificado que a criança apresente quadro febril, coriza ou tosse, os pais serão imediatamente comunicados, e o aluno deverá cumprir as regras de isolamento.
“É importante destacar que a Secretaria de Educação não descarta o fechamento total das creches, caso necessário ou por determinação dos órgãos competentes, visando à segurança das crianças e funcionários”, diz nota enviada pela assessoria de imprensa da Prefeitura, no começo da noite de ontem.

UNIVERSIDADES
A reportagem apurou ainda que a recomendação do governo estadual, para suspensão das aulas por tempo indeterminado, já foi atendida por demais instituições privadas de ensino. Em colégios particulares, embora recomendações de prevenção já tivessem sido passada a pais, alunos, professores e funcionários, as aulas serão suspensas a partir da próxima segunda-feira. O mesmo acontece nas universidades.
O Unisalesiano (Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium) divulgou, nessa segunda-feira, nota em que informa a criação de um comitê emergencial para tratar do assunto, com medidas a vigorar entre hoje e 29 de março. Dentre elas, está a suspensão das atividades acadêmicas presenciais que terão continuidade de forma on-line de modo que o calendário acadêmico seja cumprido.
Estão suspensas as atividades das clínicas, do hospital veterinário e de trabalhos dos alunos nas unidades de saúde e na Santa Casa. No período, também não ocorrerão quaisquer eventos presenciais e científicos na instituição. Por fim, colaboradores com mais de 60 anos, com base nas normas de protetivas de isolamento social, deverão permanecer em casa, cumprindo suas atividades profissionais por meio de home office.
O Unitoledo (Centro Universitário Toledo) também suspendeu suas aulas por tempor indeterminado.

 

Câmara fará sessões sem público

A pandemia do corona provocou também efeitos na Câmara de Araçatuba que, ontem à noite, realizou sua sessão extraordinária sem a permissão da presença de público. Antes, pela manhã, em reunião, a mesa diretora do Legislativo anunciou mudanças no funcionamento das atividades parlamentares.
As ações preventivas buscam garantir proteção aos públicos interno e externo da Câmara. Desde ontem, pelo período de 15 dias, a Casa ficará com o atendimento presencial suspenso ao público de forma imediata em todos os seus setores e gabinetes. Além das sessões sem público, outras medidas incluem a suspensão das solenidades e eventos agendados, inclusive as atividades da Escola do Legislativo.
Quem precisar se comunicar com gabinetes e setores da Câmara deverá se utilizar dos canais digitais e redes sociais disponíveis. O telefone da Câmara é o (18) 3636 5000. O WhatsApp é o (18) 9 9683 0748.

 

Justiça estadual suspende audiências por 15 dias

Ainda em Araçatuba, O LIBERAL apurou que o juízes das varas criminais decidiram suspender todas as audiências por 15 dias. A paralisação será reavaliada em reunião no próximo dia 30.
A suspensão das audiência inclui as de presos. Sobre as audiências de custódia, o Judiciário local aguarda uma decisão do CNJ (Conselho Nacional de Justiça).
As audiências do Cejusc (Centro Judiciário de Solução de Conflitos) também estão suspensas pelo mesmo período.
Todo esse conjunto de determinações foi feito pelos juízes Roberto Soares Leite, Wellington José Prates e Emerson Sumariva Júnior, que atuam na área criminal.
Conforme despacho assinado por esses magistrados, a ordem começou a valer ontem e foi ainda encaminhada às polícias Militar e Civil.
A medida tem o objetivo de evitar a exposição de profissionais do Direito (juízes, membros do Ministério Público, advogados e servidores), testemunhas e réus presos e soltos, diante da decretação de epidemia do coronavírus.


Compartilhe esta notícia!